Última hora

Em leitura:

Manchester presta tributo às vítimas


Reino Unido

Manchester presta tributo às vítimas

Milhares de pessoas agregaram-se frente à Câmara Municipal de Manchester para uma vigília esta terça-feira e para ouvir uma mensagem de esperança através da união na diversidade e do respeito mútuo.

“As pessoas de Manchester lembrarão para sempre as vítimas e desafiaremos os terroristas pelo trabalho conjunto de todas as nossas diversas comunidades em coesão e com respeito mútuo”, foram estas algumas das palavras de Eddy newman, Presidente da Cãmara de Manchester.


Um minuto de silêncio e um tributo aos serviços de emergência pela reação rápida e empenhada ao atentado integraram a vigília.

As expressões de pesar foram-se multiplicando ao longo do dia, desde a da Rainha Elisabeth II à primeira-ministra Theresa May, que deixou uma mensagem pessoal no livro de condolências. Recorde-se que a pouco mais de duas semanas das eleições legislativas, a campanha eleitoral foi suspensa depois do ataque na Manchester Arena.

Shauna Hardy estava no concerto com o marido e a filha de 11 anos. O testemunho na primeira pessoa impressiona: “Só me lembro do cheiro, não consigo descrevê-lo. Era um cheiro realmente terrível. E havia alarmes a disparar, polícia por todo o lado, sirenes em todo o lado. Pessoas a correr, a gritar. Foi uma loucura. Absolutamente louco.”

Com 59 pessoas feridas, algumas em estado crítico, dar sangue pode ser um ato vital e houve filas para corresponder aos apelos lançados via rádio, como nos conta Rosie Bentley, residente em Manchester: “Ouvi as notícias esta manhã e estou a viver em Manchester há mais de um ano, o meu coração ficou destroçado pelas pessoas e pensei “o que posso eu fazer?” Então ouvi na rádio o apelo para donativos de sangue, tenho um tipo de sangue compatível com o que pediram e então vim logo para cá.”

Ao longo de todo o dia, várias manifestações espontâneas foram tendo lugar. Os tributos foram sendo prestados através de silêncio, depósito de flores ou pequenas ofertas simbólicas e, acima de tudo, a esperança de que a população possa manter-se unida.