Última hora

Em leitura:

Cannes: Contagem decrescente para conhecer vencedor da Palma de Ouro


cinema

Cannes: Contagem decrescente para conhecer vencedor da Palma de Ouro

A contagem decrescente para conhecer o grande vencedor da Palma de Ouro na 70.ª edição do Festival de Cannes prossegue. As dúvidas dissipam-se este domingo mas até lá mantém-se a luta cerrada entre os vários filmes em competição.

A longa “120 batimentos por minuto”, do francês Robin Campillo, foi reconhecida, este sábado, pela crítica internacional como o melhor trabalho da competição oficial. Os jornalistas da imprensa estrangeira também tecem rasgados elogios.

“Em 120 batimentos por minuto sente-se a experiência apaixonante que o realizador teve com o movimento gay e pode perceber-se que está totalmente empenhado em criar uma vivência para o espetador de forma bastante vivaz. Foram duas horas e meia fantásticas”, lembra Karin Badt, do The Huffington Post.

As atenções concentram-se ainda em nomes como os de Naomi Kawase e Sergei Loznitsa.

“Descobrimos Naomi Kawase há precisamente 20 anos graças a ‘Suzaku’, a primeira longa-metragem que conquistou a Câmara de Ouro. Reencontrámo-la em Cannes há dez anos com ‘A Floresta dos Lamentos’, que venceu o Grande Prémio Especial do Júri. Se fosse o único elemento do júri seria ao filme ‘Hikari’ (Vers La Lumiére em francês) que atribuiria a Palma de Ouro”, diz Jean-Michel Frodon, da revista online Slate.fr.

Ben Croll, do website The Wrap.com, acrescenta: “Ao longo dos anos vi filmes bastante intensos em Cannes. Uma das razões porque gosto do filme ‘A Gentle Creature’, de Sergei Loznitsa, deve-se ao facto de tratar uma história que vimos ser abordada anteriormente em muitos filmes. Uma pessoa inocente é despedida e vê-se envolvida num mundo de burocracia e corrupção. No filme tudo é tratado de uma forma surrealista.

Entre os favoritos, também na luta pela Palma de Ouro, a par de outros 17 filmes, está “The Square”, uma crítica satírica à burguesia sueca.

A “Fábrica do Nada”, do realizador português Pedro Pinho, conquistou este sábado, o prémio da Federação Internacional de Críticos de Cinema (FIPRESCI).

Os nossos destaques

Artigo seguinte

cinema

A América alienada do "The Florida Project"