Última hora

Em leitura:

Homem imobilizado durante voo e detido após aterrar na Austrália


Austrália

Homem imobilizado durante voo e detido após aterrar na Austrália

Um homem oriundo de Sri Lanka foi detido em Melbourne, na Austrália, depois de ter sido imobilizado dentro de um avião Malaysia Airlines cerca de 30 minutos após descolagem. O homem dizia estar na posse de um engenho explosivo, terá atacado uma assistente de bordo e tentado invadir a cabine dos pilotos do voo MH128.

Nas filmagens que nos foram cedidas por Selena Brown vê-se a entrada no avião de forças de segurança para recolher o alegado agressor, entretanto imobilizado por um grupo incluindo um passageiro e membros da tripulação.

Andrew Leoncelli, passageiro do MH128 que nos cedeu algumas fotografias, disse ter tentado intervir. “Tirei o cinto de segurança, saí do meu lugar, fui para a dianteira do avião e encontrei um sujeito a segurar um grande objeto preto. Meti-me com ele. Perguntei-lhe se estava a sério. Ele repetiu a ameaça, o que não foi bom e eu recuei para longe dele”, referiu esta testemunha.


O MH128 tinha partido de Melbourne com destino a Kuala Lumpur. O incidente ocorreu cerca de meia hora após a descolagem. O suspeito foi imobilizado com cintos de segurança do avião e o alegado engenho explosivo revelou-se um artefacto inofensivo, aparentado tratar-se de aparelho de escuta via “bluetooth”. Os pilotos decidiram voltar ao ponto de partida e a detenção foi conduzida pelas autoridades australianas.

Uma investigação foi aberta, mas a hipótese de terrorismo está descartada. O suspeito teria comprado o bilhete de avião horas depois de ter saído de uma instituição de cuidados psiquiátricos. O suspeito estava previsto ser presente a tribunal ainda durante quinta-feira sob as acusações de ameaças à integridade física, falsos testemunhos e de colocar em perigo a segurança do avião.


As bagagens de todos os passageiros do MH128 voltaram a ser verificadas pelas autoridades australianas antes de serem reencaminhadas para os novos voos concedidos aos respetivos donos. “A tripulação técnica e de cabine da Malaysia Airlines que operava o voo MH128 no dia 31 de maio não vai voltar ao ativo até ordem em contrário”, informou a companhia aérea.


A Malaysia Airlines ganhou fama tragicamente nos últimos anos. Primeiro, em março de 2014, devido ao MH370, um voo com 239 pessoas que desapareceu dos radares quando estabelecia a ligação entre Kuala Lumpur e Pequim, na China — o avião, ou o que eventualmente resta do aparelho, não foi ainda localizado.

Quatro meses depois, em julho, um outro avião da companhia malaia cumpria o voo MH17 entre Amesterdão, na Holanda, e Kuala Lumpur, com 298 pessoas a bordo, quando foi alvejado com um míssil quando sobrevoava a grande altitude a zona de conflito no leste da Ucrânia. O aparelho despenhou-se. Não houve sobreviventes.