Última hora

Em leitura:

EUA não têm "porque pedir desculpas" pelo percurso energético


EUA

EUA não têm "porque pedir desculpas" pelo percurso energético

Os Estados Unidos vão continuar com os esforços para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, assegurou o chefe da diplomacia americana, um dia depois do anúncio da saída daquele país do Acordo de Paris.

“Acho que é importante que o mundo reconheça que os Estados Unidos têm um balanço fantástico em termos da redução das próprias emissões de gases com efeito de estufa. É algo com o qual nos podemos orgulhar”, declarou o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, em declarações à imprensa no Departamento de Estado.

“Isto foi feito sem o Acordo de Paris”, texto assinado em dezembro de 2015, frisou o chefe da diplomacia norte-americana, um dia depois do Presidente Donald Trump ter anunciado a saída dos Estados Unidos daquele acordo, reconhecido como o primeiro grande compromisso de toda a comunidade internacional na luta contra as alterações climáticas, um dos grandes desafios do século XXI.

Perante este novo cenário, Rex Tillerson assegurou: “Acho que não vamos alterar os esforços para reduzir as emissões no futuro”.

E exortou a comunidade internacional “a manter isso em perspetiva”.

Rex Tillerson, que até dezembro último era presidente do Conselho de Administração do gigante petrolífero ExxonMobil, foi uma das vozes da administração norte-americana que se opôs à saída do país do protocolo climático e um dos ausentes mais notados no anúncio feito na quinta-feira por Trump a partir da Casa Branca.

Os EUA ficaram isolados na cena internacional depois do anúncio da saída.

A União Europeia (UE) e a China reagiram de imediato ao anúncio americano e apresentaram-se como os novos portadores da tocha da diplomacia climática. Vários parceiros dos Estados Unidos fizeram questão de frisar que o Acordo de Paris é irreversível e inegociável.

Trump anunciou na quinta-feira que os Estados Unidos iam abandonar o Acordo de Paris, justificando a decisão com a desvantagem que o acordo climático representa para o país.

Concluído em 12 de dezembro de 2015 na capital francesa, assinado por 195 países e já ratificado por 147, o acordo entrou formalmente em vigor em 04 de novembro de 2016, e visa limitar a subida da temperatura mundial reduzindo as emissões de gases com efeito de estufa.

Portugal ratificou o acordo de Paris em 30 de setembro de 2016, tornando-se o quinto país da União Europeia a fazê-lo e o 61.º do mundo.

O acordo histórico teve como “arquitetos” centrais os Estados Unidos, então sob a presidência de Barack Obama, e a China.