Última hora

Em leitura:

Franceses votam este domingo na primeira volta das legislativas


França

Franceses votam este domingo na primeira volta das legislativas

Com AFP e France Télévisions

Em França, quase 48 milhões de eleitores votam, este domingo e no próximo, para renovar os 577 membros da Assembleia Nacional, num escrutínio que deverá funcionar como um teste para o recentemente eleito presidente da República, Emmanuel Macron.

Umas legislativas diferentes

O partido do presidente, A República em Marcha! (centro liberal) poderia obter uma maioria confortável, com mais de 30% dos votos

O voto acontece quando os partidos do centro-direita (Os Republicanos) e do centro-esquerda (Partido Socialista) perdem influência política

Mais de um terço dos deputados eleitos na legislatura anterior decidiram não apresentar candidatura

A entrada em vigor de uma lei de 2014, que impede a acumulação de cargos e mandatos, influencia toda uma renovação na câmara




No entanto, o primeiro-ministro Edouard Philippe mostrou-se prudente ao abordar as sondagens relativas à intenções de voto. Recordou os resultados das eleições no Reino Unido, onde o Partido Conservador da primeira-ministra Theresa May perdeu a maioria absoluta, contra todas as expectativas.

“A questão sobre a qual os franceses deverão debruçar-se é a seguinte: desejam dar ao presidente da República e ao Governo escolhidos uma maioria para que sejam feitas reformas no país”, disse o primeiro-ministro francês durante uma entrevista numa conhecida rádio nacional.

A oposição ao partido do presidente Macron apresenta-se relativamente enfraquecida. À direita, Os Republicanos viveram mal a nomeação de um dos seus membros para o cargo de primeiro-ministro.

O líder dos Republicanos, François Baroin, disse temer um domínio homogéneo da parte do partido de Emmanuel Macron, algo que “não é saudável para o debate dos próximos cinco anos”.

Já a extrema-direita de Marine Le Pen, líder do partido Frente Nacional, poderia ter sérias dificuldades em conseguir 15 deputados para formar o seu próprio grupo parlamentar.

À esquerda, o Partido Socialista tenta ainda sarar as feridas dos maus resultados nas presidenciais de maio.

Uma abstenção que ainda preocupa

Quase oito mil candidatos apresentam-se a estas eleições. A média de idades é de 48 anos e meio e 42% são mulheres, ficando o objetivo da igualdade de género na representação ainda por atingir. A importância dos candidatos oriundos da sociedade civil é uma das grandes novidades.

No entanto, o ambiente de renovação da câmara poderia não chegar para mobilizar em força o eleitorado. Muitas sondagens apontam para uma abstenção elevada, que poderia ultrapassar os 50% e chegar mesmo aos 60%. Há cinco anos, a taxa de abstenção foi de 57,22%.