Última hora

Em leitura:

Franceses votam este domingo na primeira volta das legislativas


França

Franceses votam este domingo na primeira volta das legislativas

Hot Topic Saiba mais sobre Eleições Legislativas de França 2017

Com AFP e France Télévisions

Em França, quase 48 milhões de eleitores votam, este domingo e no próximo, para renovar os 577 membros da Assembleia Nacional, num escrutínio que deverá funcionar como um teste para o recentemente eleito presidente da República, Emmanuel Macron.

Umas legislativas diferentes

O partido do presidente, A República em Marcha! (centro liberal) poderia obter uma maioria confortável, com mais de 30% dos votos

O voto acontece quando os partidos do centro-direita (Os Republicanos) e do centro-esquerda (Partido Socialista) perdem influência política

Mais de um terço dos deputados eleitos na legislatura anterior decidiram não apresentar candidatura

A entrada em vigor de uma lei de 2014, que impede a acumulação de cargos e mandatos, influencia toda uma renovação na câmara




No entanto, o primeiro-ministro Edouard Philippe mostrou-se prudente ao abordar as sondagens relativas à intenções de voto. Recordou os resultados das eleições no Reino Unido, onde o Partido Conservador da primeira-ministra Theresa May perdeu a maioria absoluta, contra todas as expectativas.

“A questão sobre a qual os franceses deverão debruçar-se é a seguinte: desejam dar ao presidente da República e ao Governo escolhidos uma maioria para que sejam feitas reformas no país”, disse o primeiro-ministro francês durante uma entrevista numa conhecida rádio nacional.

A oposição ao partido do presidente Macron apresenta-se relativamente enfraquecida. À direita, Os Republicanos viveram mal a nomeação de um dos seus membros para o cargo de primeiro-ministro.

O líder dos Republicanos, François Baroin, disse temer um domínio homogéneo da parte do partido de Emmanuel Macron, algo que “não é saudável para o debate dos próximos cinco anos”.

Já a extrema-direita de Marine Le Pen, líder do partido Frente Nacional, poderia ter sérias dificuldades em conseguir 15 deputados para formar o seu próprio grupo parlamentar.

À esquerda, o Partido Socialista tenta ainda sarar as feridas dos maus resultados nas presidenciais de maio.

Uma abstenção que ainda preocupa

Quase oito mil candidatos apresentam-se a estas eleições. A média de idades é de 48 anos e meio e 42% são mulheres, ficando o objetivo da igualdade de género na representação ainda por atingir. A importância dos candidatos oriundos da sociedade civil é uma das grandes novidades.

No entanto, o ambiente de renovação da câmara poderia não chegar para mobilizar em força o eleitorado. Muitas sondagens apontam para uma abstenção elevada, que poderia ultrapassar os 50% e chegar mesmo aos 60%. Há cinco anos, a taxa de abstenção foi de 57,22%.

Espanha

Catalunha: referendo para a independência a 1 de outubro