Última hora

Em leitura:

Queiroz faz história com apuramento do Irão para o Mundial2018


Desporto

Queiroz faz história com apuramento do Irão para o Mundial2018

O treinador português Carlos Queiroz enalteceu esta segunda-feira o privilégio de repetir a qualificação do Irão para um Mundial de futebol. A ida à Rússia representará a quinto presença da formação persa em campeonatos do Mundo de futebol (1978, 1998, 2006, 2014 e 2018), mas pela primeira vez em edições consecutivas e ambas pela mão de Queiroz.

O selecionador, de 64 anos, celebrou, por sua vez, a quarta qualificação pessoal, depois de África do Sul (2002), que apurou mas não orientou na fase final, Portugal (2010) e Irão (2014 e 2018). O português celebrou o feito, por isso mesmo, envergando uma camisola com o número ‘4’.

“O número 4, para mim, significa uma quarta qualificação para um campeonato do mundo. Só um treinador na história o conseguiu, [Walter] Winterbottom, sempre com Inglaterra, mas nenhum treinador o alcançou com seleções diferentes”, frisou Queiroz. O bicampeão do mundo de sub-20 por Portugal recorda, no entanto, que Óscar Tabarez também pode assegurar uma quarta presença, no comando do Uruguai.


O Irão tornou-se na terceira seleção com presença assegurada no Mundial2018, depois do Brasil e da anfitriã Rússia, ao assegurar um dos dois primeiros lugares da ‘poule’ de qualificação asiática, ao vencer o Uzbequistão, por 2-0. Sardar Azmoun, aos 23 minutos, e Medhi Taremi, aos 88, assinaram os golos da formação iraniana. Masoud Shojaei ainda desperdiçou uma grande penalidade, aos 50 minutos.

“Não era um jogo fácil, mas foi uma boa exibição da nossa parte. Jogámos contra uma grande equipa, com bons jogadores. Há quem tente passar a ideia que esta qualificação foi fácil, mas o que alcançámos foi graças ao nosso trabalho e ao sacrifício destes jogadores. Só há duas palavras para definir o desempenho dos nossos jogadores nesta qualificação: comprometimento e dedicação. Fizeram muitos sacrifícios pela equipa nacional, referiu.


O treinador português agradeceu aos jogadores, à família e aos seus próximos, destacando a oportunidade de ter alcançado o feito histórico: “É um grande privilégio poder disfrutar deste momento no Irão. A minha vida é o futebol, dou tudo ao futebol, muitas vezes em sacrifício da minha vida e da vida daqueles que me amam, mas enquanto tiver saúde e esta paixão pelo jogo, e pelo treino, creio que vou andar por aqui”.



Em declarações reproduzidas pela sua assessoria de imprensa, Queiroz apontou já ao futuro, nomeadamente à fase final do Mundial2018, que vai ser disputada entre 14 de junho e 15 de julho, na Rússia.

“A partir de amanhã temos de colocar em marcha a melhor preparação possível para o Mundial. Esperemos que, depois de duas qualificações consecutivas para Mundiais, o Irão não perca uma oportunidade histórica de assegurar o futuro do seu futebol. A paixão está cá, o talento também, esperamos que aqueles que têm responsabilidades possam dar o impulso decisivo”, frisou.

Aproveitou ainda para reivindicar melhores condições para a seleção iraniana: “Desde a qualificação para o Mundial2014 que ouvimos muitas promessas. Não temos apoio financeiro, não temos um relvado para treinar, portanto peço-vos que não perguntem o que esta equipa pode fazer pelo país, isso está à vista, perguntem antes o que os responsáveis podem fazer por esta equipa”.

A duas jornadas do fim, o Irão soma 20 pontos em oito jogos, mais sete do que a Coreia do Sul, que visita o Qatar na terça-feira, e mais oito do que o adversário de hoje.

Texto: Lusa (JP)
Edição: Francisco Marques

Desporto

Taça América: Neozelandeses da Emirates Team na final de sábado