Última hora

Em leitura:

O poder da caricatura no regresso do World Press Cartoon


Cult

O poder da caricatura no regresso do World Press Cartoon

Depois de um ano de interregno, devido a questões financeiras, o World Press Cartoon está de volta. A décima segunda edição do certame realizou-se, este sábado, nas Caldas da Rainha, numa gala abrilhantada pela orquestra Begin Big Band.

O vencedor do Grand Prix é selecionado entre os vencedores de uma das três categorias: desenho de humor, caricatura e desenho editorial. Foi nesta última que, com um desenho-crítica à imigração, o iraniano Pakdel realizou um sonho: “Sempre sonhei ganhar este prémio. Desde que comecei a trabalhar que me imaginava ganhar o World Press Cartoon. E agora recebo esta importante distinção”, disse-nos.

A imigração foi um dos temas mais abordados ao longo do ano passado. Mas não foi o único. O júri internacional selecionou 267 desenhos de 51 países nos quais o olho atento dos cartoonistas retrata as personagens e os acontecimentos mais marcantes da atualidade.

“O World Press Cartoon tornou-se necessário para os cartoonistas. Os últimos anos têm sido muito difíceis, a começar pelo ataque ao Charlie Hebdo até à prisão de Musa Kart, o cartoonista turco. Houve vários episódios que nos tiveram como alvo. Por isso é que eventos como o World Press Cartoon são necessários para a imprensa especializada e para os cartoonistas neste período que é tão difícil”, considera o grego Kountouris.

Kountouris arrecadou o segundo lugar na categoria de desenho editorial com um trabalho sobre o atentado de Nice, em França. Donald Trump foi outra das “vítimas” dos cartoonistas, que não pouparam lápis nas caricaturas do atual presidente norte-americano. Aliás, foi uma delas que deu o terceiro lugar da respetiva categoria à italiana Gio – uma das poucas mulheres neste mundo de homens.

“Digamos que é ainda um mundo muito masculino. Mas há muitas mulheres cartoonistas de grande valor. Juntas tentamos que o mundo veja o nosso ponto de vista: continuamos a sonhar com um mundo feito de paz”, explicou-nos.

A galeria com os desenhos vencedores está disponível aqui:

World Press Cartoon 2017

O renascimento do World Press Cartoon, depois de um ano de ausência, representa muito para o criador e diretor do salão, António Antunes, e dá ideias à autarquia local. “Representa a continuidade de um projeto em que eu acredito, que estava a funcionar à velocidade de cruzeiro, que é reconhecido pelo mundo do cartoon – os cartoonistas reconhecem neste salão, um salão de excelência – o que é normal é que continue, o que era anormal era não continuar…”, salienta António Antunes.

Para Fernando Manuel Tinta Ferreira, presidente da Câmara das Caldas da Rainha, “a ideia é que este evento possa alavancar um espaço permanente de exposição de caricatura, para que possamos ter aqui, de facto, a sede da caricatura em Portugal”.

A exposição está patente até 10 de agosto, no Centro Cultural e de Congresso das Caldas da Rainha, cidade conhecida desde o século XIX pelas caricaturas de Raphael Bordalo Pinheiro.

A euronews preparou três galerias de fotos, uma para cada categoria, que podem ser consultadas aqui:

EDITORIAL

WPC 2017: EDITORIAL

CARICATURA

WPC 2017: CARICATURA

GAG

WPC 2017: GAG

Escolhas do editor

Artigo seguinte
World Press Cartoon: "Era anormal não continuar..."

Cult

World Press Cartoon: "Era anormal não continuar..."