Última hora

Em leitura:

Grande Prémio de Hohhot: A "vingança" de Tashiro e o Dia do Canadá


Desporto

Grande Prémio de Hohhot: A "vingança" de Tashiro e o Dia do Canadá

No segundo dia do Grande Prémio de Hohhot, antecâmara do campeonato mundial de judo que arranca daqui a 58 dias, começamos por dar o destaque à competição feminina.

Até porque foi a austríaca Magdalena Krssakova a protagonizar o “ippon” do dia, que aconteceu quando levou a melhor na luta pela medalha de bronze face à russa Ekaterina Volkova, na categoria de -63 quilos.

Mas quem leva a palma da figura feminina do dia é a japonesa Miku Tashiro, que chegou aqui em 24° da tabela mundial da mesma categoria e saiu com a medalha de ouro, após se sobrepor na final à número 3 do ranking, a austríaca Kathrin Unterwurzacher. Tashiro fez um percurso assinalável, que ajuda a compensar o desaire nos Olímpicos e a não qualificação para o Mundial. No momento decisivo deste braço de ferro, a austríaca toca nas pernas da adversária, cometendo uma terceira infração que lhe valeu a desqualificação.

Do lado masculino, o nome do dia foi Sai Yinjirigala. O atleta chinês brilhou em casa na categoria dos -73 quilos. O vencedor do Grande Prémio da Mongólia há dois anos volta assim a ganhar um torneio do circuito mundial.

O trajeto deste judoca até à final foi marcado pelos “ippons” face ao checo Jakub Jecminek e a Sanjmyatav Bayartuvshin, da Mongólia, e pelo “waza-ari” ao belga Dirk Van Tichelt. No último embate, o chinês teve pela frente o canadiano Arthur Margelidon, que em 2016 arrebatou o primeiro lugar nos Campeonatos Pan-Americanos, em Havana. Sai Yinjirigala acabou por se impor. O público viria a ovacioná-lo, depois de assistir ao momento em que se alcançava a primeira medalha de ouro chinesa.

O vencedor confessou que se sentia “bastante nervoso, porque sabia que era a oportunidade para ganhar o ouro em Hohhot e que havia muitos jovens a vê-lo, jovens que se interessam realmente pelo judo e que querem descobrir este desporto”.

Se as coisas não correram tão bem a Margelidon, o compatriota Antoine Valois-Fortier não pode dizer o mesmo, tendo conseguido o feito de ouvir aqui o hino canadiano quando o seu país celebrava o dia nacional. Na final dos -81 quilos, Valois-Fortier teve de vergar o campeão europeu, o russo Alan Khubetsov.

O canadiano afirmou que se sente “em forma, sobretudo nesta reta final antes do Campeonato do Mundo. Depois da operação este ano, o ritmo voltou. Foi muito especial ouvir o hino”.

Por último, destacamos ainda a vitória da japonesa Naeko Maeda, que arrecadou o ouro nos -70 quilos.