Última hora

Última hora

Tour2017: Sagan alega inocência na suposta cotovelada a Cavendish

O eslovaco foi expulso da Volta a França por ter alegadamente derrubado o adversrio com uma cotovelada; o britânico fraturou um ombro na queda.

Em leitura:

Tour2017: Sagan alega inocência na suposta cotovelada a Cavendish

Tamanho do texto Aa Aa

Expulso terça-feira da Volta à França, por uma suposta cotovelada em Mark Cavendish, o eslovaco Peter Sagan criticou esta quarta-feira à decisão dos juízes da prova de o afastar da prova e alegou inocência.

Sagan explicou não ter comentado o sucedido logo na terça-feira porque não lhe pareceu oportuno.


Esta quarta-feira, lamentou a queda do adversário e desejou-lhe rápidas melhoras. O eslovaco disse aceitar a decisão do júri, mas discorda da expulsão porque considera ter-se tratado “apenas de um ‘sprint’ louco” e alega não ter feito “nada de mal”.

Cavendish também está fora da Volta à França, mas devido à fratura no ombro provocada pela queda. O britânico revelou ter recebido uma chamada de Peter Sagan.


“Só voltei ao hotel depois de deixar o hospital pelas 11 horas da noite. Tinha uma mensagem dele. Perguntava se ainda estava acordado. Ligou-me e falámos sobre tudo. Temos uma boa relação. Somos amigos e colegas. Respeitamo-nos muito. Não temos problemas, mas os comissários estão ali para tomar decisões. É preciso ter muita coragem para expulsar um campeão do mundo da Volta a França”, considerou Cavendish.



Esta quarta-feira, as imagens do momento da queda do britânico continuam a ser analisadas e há quem defenda que a culpa até poderá ter sido de Cavendish, por forçar o contacto com o eslovaco que seguia à sua frente e precispitar a queda.