Última hora

Última hora

Ancara assinala tentativa de golpe de Estado com mais de sete mil despedimentos

Em leitura:

Ancara assinala tentativa de golpe de Estado com mais de sete mil despedimentos

Ancara assinala tentativa de golpe de Estado com mais de sete mil despedimentos
Tamanho do texto Aa Aa

Com AFP e Anadolu

A Turquia assinala a tentativa de golpe de Estado de 15 de julho do ano passado com milhares de despedimentos no setor público, de agente da polícia a soldados, passando por funcionários dos ministérios.

Um ano depois da tentativa de golpe militar, o clérigo Fethullah Gülen, exilado nos Estados Unidos, denunciou uma caça às bruxas da parte do presidente Recep Tayyip Erdogan.




Segundo a agência de imprensa Estatal turca Anadolu, foram mais de 7.300 pessoas as que perderam os postos de trabalho, segundo um novo decreto publicado esta sexta-feira, relacionado com estado de emergência, que dura há um ano.

A Anadolu conta também que 342 militares foram conduzidos à reforma.

A purga de Erdogan dura há um ano

Tayyip Erdogan e o Governo têm vindo a perseguir todos *os que consideram próximos do clérigo Gülen. Em um ano, cerca de *50 mil pessoas foram detidas. Calcula-se que cerca de 4 mil magistrados tenham sido afastados dos tribunais e que o exército turco, o segundo maior da NATO/OTAN, tenha ficado fragilizado com os sucessivos afastamentos.

O decreto publicado na sexta-feira anuncia o afastamento de pelo menos 150 generais.

A Turquia homenageia os “mártires” e comemora o falhanço do golpe


O dia 15 de julho é referido, por vários media nacionais, como “o dia da epopeia de 15 de julho”. Televisões, rádios e jornais falam em heróis e utilizam palavras como “sacrifício” e definem os 249 mortos como “mártires”.




A chamada purga do Executivo turco tem sido denunciada por diferentes instituições dedicadas à defesa dos Direitos Humanos a nível internacional.

A Amnistia Internacional, por exemplo, refere que aqueles que perdem os postos de trabalho no setor público, se encontram, de forma abrupta, sem qualquer fonte de rendimento para si próprias e para as suas famílias.