Última hora

Made in Morocco: O ouro líquido marroquino

Fomos até ao coração do país magrebino conhecer a produção do óleo de argão, utilizado na cosmética e na cozinha.

Em leitura:

Made in Morocco: O ouro líquido marroquino

Tamanho do texto Aa Aa

A História da cosmética marroquina começa nas montanhas da região de Agadir, onde predominam as árvores da argânia.

É aqui que começa a produção de um dos óleos vegetais mais caros do planeta: o óleo de argão.

Rico em vitaminas, possui propriedades benéficas para o Ser Humano. É extraído da árvore da argânia, conhecida como a árvore da vida. A argânia é também fundamental para os solos já que combate a desertificação. É também muito importante para a economia local, especialmente para muitas mulheres das comunidades rurais.

Marrocos produz quatro mil toneladas de óleo de argão por ano. Um terço da produção é exportada, sobretudo para a Europa. Agora, o país magrebino quer aumentar a produção para 10 mil toneladas por ano até 2020. Para isso, conta com 800 mil hectares de florestas de argânias.
Em Marraquexe, onde a beleza é sabedoria
Em Marraquexe, ficamos a saber que a sabedoria dos marroquinos em relação à cosmética não se limita ao óleo de argão. Khalid Bitar, farmacêutico, conta à Euronews que existem milhares de plantas no país que podem ser usadas na criação de novos produtos.

“Entre essas plantas, encontramos a Rosa Damascena: pode ser-lhe extraído um óleo, fundamental para produtos de beleza e perfumes”, explica.

No entanto, apesar do crescente interesse pelas plantas de marrocos e pelas propriedades que estas possuem, a indústria cosmética nacional enfrenta ainda vários desafios, segundo Khilad Bitar:

“Penso que Marrocos têm um grande potencial enquanto exportador deste tipo de produtos, mesmo com valor agregado. Temos cerca de 4200 tipos de plantas, mas são sempre exportadas como matéria-prima. Não valorizamos os produtos em território nacional”, lamenta.
Argila de Ghassoul e as suas propriedades
Fomos ao coração da Cordilheira do Atlas, onde visitámos um centro de extração de argila vulcânica de ghassoul, cujas propriedades são conhecidas na região.


Zhor Hnid desenvolveu uma técnica para que permite fazer deste recurso mineral um creme hidratante:

“Conseguimos, depois de muita investigação, criar produtos para tratar para diferentes tipos de cabelo, mas também para hidratar diferentes tipos de pele”, explicou.
Os produtos marriquinos no Cosmoprof Show
Depois de toda uma descoberta dos locais onde é produzido este produto em Marrocos, ficamos a conhecer como é recebido num país como os Estados Unidos.

Fomos até ao Cosmoprof North America, em Las Vegas, estado do Nevada.

O evento é um ponto de encontro obrigatório para marcas, vendedores. O objetivo é conhecer as últimas novidades do setor e dar a conhecer novas ideias.

O Cosmoprof Show é um dos maiores eventos do setor em todo o mundo, constitui uma oportunidade para Marrocos dar a conhecer todo o seu potencial.
A concorrência é forte
Em Las Vegas, os produtor marroquinos concorrem com marcas de todo o mundo. Salah Ben Youssef representa a Botanika e sabe bem que, para além do produto, é preciso saber como explicá-lo aos interessados:

“O mais difícil é o investimento no marketing, porque a comeptição é dura entre marcas. Precisamos de convencer as pessoas a comprarem produtor marroquinos. Com este tipo de investimento, será mais fácil vendermos os nossos produtos”. explicou à Euronews.


O estabelecimento de contactos e a angriação de parceiros, interessados em comprar o que vem do outro lado do mundo, é fundamental.

Mas Benjamin Cruz, da ADKOA Branding, pensa que os produtos cosméticos produzidos em Marrocos têm uma grande vantagem: a da herança cultural.

“Penso que, em Marrocos, há esta cultura de produzir tudo com elevada qualidade. Há uma herança rica e uma enorme diversidade cultural. E isso é o que dá origem a todos estes de produtos, uma variedade como nunca vi. Por isso, penso que será interessante começar a fazer negócios com Marrocos”.