Última hora

Cimeira comercial EUA-China

Cimeira para o Diálogo Económico Abrangente EUA-China reúne em Washington os maiores empresários dos dois países

Em leitura:

Cimeira comercial EUA-China

Tamanho do texto Aa Aa

As relações comerciais entre os Estados Unidos e a China “são as melhores das últimas décadas” e cabe aos responsáveis empresariais concretizar sucessos, pois “aos governos compete apenas criar as condições para o crescimento e inovação”, disse esta quarta-feira em Washington o secretário do Comércio dos EUA, Wilbur Ross, durante a cimeira económica Estados Unidos-China.

O fundador e presidente do gigante de comércio eletrónico Alibaba, Jack Ma, sublinhou que as relações económicas entre os dois países refletem uma profunda parceria “que integra capital, pessoas e ideias”.

Para o vice-presidente chinês, Wang Yang, figura de topo da política económica de Pequim, é importante que a China e os Estados Unidos colaborem para resolver diferendos, pois “a confrontação prejudica os interesses dos dois países”.

Esta cooperação entre os dois países que permitiria maximizar os benefícios de ambos só será porém possível se existir “uma relação económica mais justa e equilibrada”, ressalvou entretanto o secretário do Tesouro dos EUA, Steve Mnuchin.

Este encontro, que reúne alguns dos maiores empresários dos dois países, reedita as cimeiras para o Diálogo Económico Abrangente Estados Unidos-China criadas em 2009 pelo então presidente americano Barack Obama e o seu homólogo chinês Hu Jintao.

O défice comercial dos Estados Unidos com a China caiu em junho, relativamente ao mesmo período do ano anterior, 88,1%, para 25,4 mil milhões de dólares (22,1 mil milhões de euros).