Última hora

Em leitura:

"Jóias" de Balanchine reluzem em Nova Iorque


Cult

"Jóias" de Balanchine reluzem em Nova Iorque

Uma homenagem ao bailarino e coreógrafo russo, George Balanchine, junta três das mais prestigiadas companhias de dança internacionais até domingo em Nova Iorque. O russo Bolshoi une-se ao ballet da Ópera de Paris e ao New York City Ballet para recriar a obra “Jewels” – “Jóias” – no mesmo palco onde estreou há cinquenta anos, o Lincoln Center.

O criador do primeiro ballet neoclássico tinha sido diretor da companhia de Nova Iorque durante mais de três décadas.

Segundo o diretor do Ballet Bolshoi, Makhar Vaziev: “Não consigo imaginar outro nome para lá de Balanchine que poderia juntar estas três companhias de renome”.

Para a diretora do Ballet da Ópera de Paris, Aurélie Dupont, “Trata-se antes de mais de um momento de partilha, de dançar e partilhar a nossa herança, tudo aquilo que aprendemos na nossa escola e na nossa companhia”.

Como há meio século, as cinco atuações previstas em Nova Iorque, vão voltar a festejar o espetáculo sem narrativa que, entre “esmeraldas”, “rubis” e “diamantes”, volta a revelar as “jóias” do ballet de três países com o mesmo brilho do coreógrafo falecido há 34 anos.

Escolhas do editor

Artigo seguinte
Óperas flutuantes no Festival de Bregenz

Cult

Óperas flutuantes no Festival de Bregenz