Última hora

Em leitura:

O "Pártenon de Livros" na documenta 14

O “Pártenon de Livros”, da autoria da argentina Marta Minujín, centra as atenções na documenta 14, a mostra artística que decorre cada 5 anos em Kassel, na Alemanha. A obra é composta precisamente de livros que foram banidos quer pelo regime nazi, quer pela RDA ou mesmo nos Estados Unidos.

Falamos de trabalhos que foram considerados, a um dado momento, demasiado críticos, ousados, capitalistas, eróticos… Balzac, Brecht, Freud, Saint-Exupéry são apenas alguns dos escritores em questão.

O Pártenon tem 70 metros de comprimento, 30 de largura e 20 de altura.

Qualquer pessoa pode fornecer livros para a “construção”, sendo que estes são colocados dentro de um invólucro de plástico. Todas as manhãs veem-se estudantes locais a trazerem obras, por exemplo. No final da documenta, os livros serão doados.

O trabalho de Marta Minujín tem suscitado variados debates sobre os motivos que levaram à censura. Minujín, com 73 anos de idade, apela à entrega de mais de 20 mil livros. O objetivo inicial era atingir os 100 mil, mas a missão tem-se revelado ambiciosa.

O curador da edição deste ano, o polaco Adam Szymczyk, quis organizar a mostra em duas cidades: Kassel (até ao dia 17 de setembro) e Atenas.

França: Vinho adaptado às alterações climáticas

França

França: Vinho adaptado às alterações climáticas