Última hora

Em leitura:

Crise entra numa nova fase


Venezuela

Crise entra numa nova fase

Com balas de borracha e recurso a gás lacrimogéneo, a Polícia Nacional Bolivariana (PNB) reprimiu a embaraçosa marcha da oposição venezuelana rumo ao Palácio Federal Legislativo, onde funciona o Parlamento. Um protesto que se fez notar imediatamente após a tomada de posse da polémica Assembleia Nacional Constituinte, esta sexta-feira.

“A Assembleia Nacional foi o epicentro da resistência na Venezuela somado ao esforço e sacrifício de mais de 120 jovens, mulheres e homens que foram abatidos na rua pela violência política promovida pelo regime”, denunciou, nas ruas de Caracas, o deputado opositor William Dávila.

A antiga ministra venezuelana dos Negócios Estrangeiros, Delcy Rodríguez, será a Presidente da Assembleia Nacional Constituinte eleita no passado domingo num escrutínio denunciado como fraudulento.

“O povo de Venezuela também disse que o conflito violento não se vai impor no país para poder possibilitar uma intervenção estrangeira. Mandamos muitas mensagens não só à Venezuela mas também ao mundo. Ao chefe do império dizemos: Não te metas com a Venezuela. Vamos repeti-lo quantas vezes for preciso”, sublinhou Delcy Rodríguez.


Também esta sexta-feira vários apoiantes da Constituinte desfilaram pelas ruas de Caracas. O Presidente Nicolás Maduro felicitou os venezuelanos.


Maduro anunciou também que durante a jornada deste sábado a Assembleia trabalhará para começar a tratar da instalação de uma comissão “da verdade, justiça, da reparação das vítimas e da paz.”

Eduardo Salazar Uribe, Euronews: “Depois da instalação da Assembleia Nacional Constituinte os porta-vozes da oposição dizem que haverá mais perseguição política aos líderes que se opõem ao Governo de Nicolás Maduro. Espera-se que se reestruture o Estado, que se imponha uma nova Constituição e se reforme o poder judicial, aprofundando ainda mais o modelo socialista instaurado através da Revolução Bolivariana nesta nação caribenha.”