Última hora

Em leitura:

Londres2017, Nélson Évora: "Contra tudo, contra todos..."


Desporto

Londres2017, Nélson Évora: "Contra tudo, contra todos..."

O atleta Nélson Évora ficou “satisfeito” por ter contrariado as estatísticas que não o davam como favorito devido aos seus 33 anos. O português, agora atelta do Sporting, ganhou a medalha de bronze no triplo salto nos Mundiais de atletismo, em Londres, e assumiu ser “sempre um orgulho representar a seleção.”

“Dou sempre o meu melhor e tento trazer uma medalha. Contra tudo, contra todos, contra as estatísticas, consegui contrariar tudo”, vincou.


O campeão mundial de 2007 lembrou que, de todos os concorrentes, foi o que menos competiu antes desta prova. “Mas o que interessava aqui era ganhar uma medalha. Fico contente por mim, fico contente por Portugal e espero que os portugueses tenham ficado felizes com esta medalha”, comentou.

O atleta confessou que tinha esperança de surpreender os rivais, mas acabaou por não conseguir ir além dos 17,19 metros. “Foi uma competição boa, eles provaram o favoritismo que tinham, saltaram bem. As pessoas esperavam os 18 metros”, disse na conferência de imprensa dos três vencedores.


Para o saltador português, “foi uma competição um pouco estranha, difícil”, mas também com um desfecho esperado. “Para mim foi esta previsão. Esperava surpreendê-los: o sénior contra os mais novos. Fica para a próxima”, avisou Nélson Évora.

O saltador poortuguês lembrou estar agora a evoluir com um novo treinador, Ivan Pedroso, e sublinhou que têm insistido “na velocidade”. “Dentro de alguns meses verão um Nélson completamente diferente devido ao modo de trabalhar do Ivan. Espero provar aos putos que ainda tenho bons saltos nas pernas”, afirmou.

Évora disse que entrou “bastante confiante na prova”, mas a falta de ritmo competitivo pesou no seu desempenho. “É sempre uma honra ser um dos mais medalhados, mas gostava que fosse uma medalha mais brilhante do que esta”, disse, com um sorriso.

O português garantiu sentir-se “tão bem como há 10 anos atrás”, quando foi campeão mundial em Osaca2007. “Mas nessa altura fiz 10 competições antes do campeonato do mundo”, explicou, lembrando que esta época só competiu em quatro provas antes dos Mundiais.

“Sem faltar respeito aos meus rivais, vou continuar a trabalhar para ganhar uma medalha [melhor] até o conseguir”, prometeu.

Christian Taylor, o vencedor da medalha de ouro, com 17,68, elogiou o português, a quem mantém respeito. “É um campeão olímpico. Tenho-lhe muito respeito. Ele sabe como lutar. A idade é um número. Tenho respeito por todos os meus competidores”, afirmou o norte-americano.

Também Will Claye, medalha de prata, com 17,63, reconheceu a admiração pelo português: “Aprendi a saltar a vê-lo competir em 2008. Ele merece aplausos por continuar a testar os limites”.

“É bom sermos uma referência e motivação para outros atletas. Sei que tenho menos tempo do que o Christian [Taylor] e o [Will] Claye, mas não sou apenas um sonhador. Tenho provado que consigo fazer a diferença”, afirmou Évora.

Esta foi a quarta medalha de Nelson Évora em Mundiais, repetindo o bronze de há dois anos, em Pequim, depois de ter sido campeão em 2007 e medalha de prata em 2009.


Texto: Lusa (BM)
Edição: Francisco Marques