This content is not available in your region

Ministro da Polícia apela a apoio a Zuma no seio do ANC

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Ministro da Polícia apela a apoio a Zuma no seio do ANC

<p><strong>Com <span class="caps">AFP</span></strong></p> <p>O ministro sul-africano da Polícia, <strong>Fikile Mbalula</strong>, apelou à união no seio do seu partido, o <strong>Congresso Nacional Africano</strong> (<span class="caps">ANC</span>, sigla em inglês) e ao apoio ao presidente <strong>Jacob Zuma</strong>, que passou mais uma <strong>moção de censura</strong> esta semana, ainda que com menos votos a favor do que o que seria de esperar.</p> <p>“Devemos unir-nos verdadeiramente em torno ao presidente até que este termine o mandato em dezembro à cabeça do <span class="caps">ANC</span>”, disse Mbaalula à agência France Presse. <br /> “O presidente é um combatente”, continuou o ministro sul-africano da Polícia.</p> <p>Foi na terça-feira que um grupo de deputados do <strong><span class="caps">ANC</span></strong> (no poder desde as primeiras eleições democráticas, em 1994), votaram a favor da moção apresentada pela oposição.</p> <p>Um episódio que ilustra bem as <strong>profundas divisões</strong> no seio do partido de Nelson Mandela, histórico da luta contra o <strong><em>Apartheid</em></strong>, quando falta menos de meio ano para que o mais importante partido político sul-africano escolha um novo líder.</p> <p>Espera-se que esse novo líder seja o novo presidente da África do Sul, depois das eleições de <strong>2019</strong>, caso o <span class="caps">ANC</span> ganhe, uma vez mais, o escrutínio, como acontece desde as primeiras eleições multirraciais.</p> <p>Tendo em conta os momentos de tensão vividos durante a votação da última moção de censura a que teve de submeter-se o presidente, a <strong>oposição</strong> entre partidários e críticos de Jacob Zuma deverá dominar o próximo congresso.<br /> <br /> <strong>Dois nomes figuram na corrida à sucessão de Zuma</strong><br /> <br /> Os dois favoritos para suceder ao atual presidente sul-africano e líder do <span class="caps">ANC</span> são o vice-presidente <strong>Cyril Ramaphosa</strong>, considerado como líder do movimento interno de contestação a Zuma e a antiga líder da União Africana, <strong>Nkosazana Dlamini Zuma</strong>, que goza do apoio do atual presidente, que é também o seu <strong>ex-marido</strong>.</p> <p>Entretanto, a lista de <strong>escândalos políticos</strong> do presidente da África do Sul é cada vez mais extensa, fazendo com que as críticas de figuras destacadas do Congresso Nacional Africano se façam de forma cada vez mais pública.</p> <p>Zuma é suspeito de <strong>abuso de recursos públicos</strong> para renovar uma moradia privada, assim como em diversos casos de <strong>corrupção</strong> e <strong>conflitos de interesse</strong> com uma conhecida família sul-africana do mundo dos negócios, os <strong>Gupta</strong>.</p> <p>A África do Sul é a primeira economia e potência industrial do continente africano, mas enfrenta uma <strong>recessão</strong>, tendência agravada por uma <strong>taxa de desemprego</strong> sem precedentes de <strong>27,7%</strong>.</p>