Última hora

119 jogos e 53 golos depois, Wayne Rooney deixa os "três leões"

Após 13 anos no Manchester United, o avançado decidiu voltar ao Everton e, apesar de atravessar um bom momento, agora anuncia o adeus à seleção da Inglaterra.

Em leitura:

119 jogos e 53 golos depois, Wayne Rooney deixa os "três leões"

Tamanho do texto Aa Aa

Wayne Rooney anunciou esta quarta-feira o adeus à seleção inglesa, num comunicado partilhado também pelas respetivas contas oficiais nas redes sociais da internet.

“Penso que é a hora de sair. Continuarei a ser sempre um apaixonado adepto de Inglaterra”, referiu o avançado, esta época de regresso ao seu clube de formação, o Everton, após 13 épocas ao serviço do Manchester United.

O capitão da seleção inglesa coloca um ponto final no que assume ter sido “um sonho tornado realidade” e, aos 31 anos, decidiu passar a outro a braçadeira de líder da equipa dos “três leões.”


O regresso à boa forma, com dois golos pelo Everton, na vitória com o Stoke City (1-0) e no empate fora com o Manchester City (1-1), levaram o antigo colega de seleção e atual selecionador, Gareth Southgate, a sondar o jogador para os próximos jogos de qualificação para o Mundial2018. Sem êxito.

“Foi fantástico que o Gareth Southgate me tenha telefonado esta semana a dizer que me queria de volta para os próximos jogos. Agradeço imenso, contudo pensei durante muito tempo e disse ao Gareth que decidi retirar-me”, revelou o avançado, assumindo ter sido “um verdadeiro privilégio”.

Do passado, o jogador lamenta nunca ter tido sucesso pelos “três leões”, seleção com a qual nunca passou dos quartos-de-final numa grande competição, tendo marcado apenas sete golos nos principais torneios. “Agradeço a todos os que me ajudaram”, concluiu.


Para a história, Rooney somou 119 jogos pela seleção inglesa e retira-se como o mais internacional de sempre da equipa.


O agora de novo jogador do Everton jogou três Europeus e três Mundiais e, a menos de um ano de poder jogar na Rússia o quarto mais um grande torneio, despede-se ostentando o título de maior goleador da história da seleção inglesa, com 53 golos, marcados entre 2003 e 2016.