This content is not available in your region

Presidente destituído da FCF: "Há muita máfia" na seleção de futebol

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Presidente destituído da FCF: "Há muita máfia" na seleção de futebol

<p><strong>Com Lusa</strong></p> <p>O presidente destituído da <strong>Federação Cabo-verdiana de Futebol</strong> (<span class="caps">FCF</span>), <strong>Vítor Osório</strong>, disse que há <strong>“muita máfia”</strong> na seleção do país e denunciou o desaparecimento de um lote de mais de <strong>700 equipamentos</strong>, patrocinados pela empresa portuguesa <strong>Lacatoni</strong>.</p> <p>“Há um lote de 700 e tal equipamentos da seleção que saíram da Lacatoni e que nunca chegaram (…) Nunca conseguimos encontrar o rasto desses equipamentos. As pessoas que estão envolvidas nas máfias sabem o que é que fizeram com esses equipamentos”, denunciou Vítor Osório.</p> <p>Osório fez a revelação numa reportagem publicada pelo canal desportivo cabo-verdiano GreenSports.</p> <p>Foi destituído do cargo de presidente da <span class="caps">FCF</span> pelas associações regionais cinco dias antes.</p> <p>Disse que a Locatoni confirmou ter feito a entrega e que <strong>“as pessoas receberam”</strong>, mas os equipamentos <strong>“não deram entrada na federação”</strong>.<br /> <br /> <strong>Patrocínio com a Lacatoni data de 2014</strong><br /> <br /> Em dezembro de 2014, o então presidente da <span class="caps">FCF</span>, <strong>Mário Semedo</strong>, assinou um protocolo de patrocínio com a Lacatoni, empresa multinacional de vestuário e materiais desportivos.</p> <p>A direção da <strong><span class="caps">FCF</span></strong>, liderada até sábado último por Vítor Osório, foi <strong>destituída</strong> após a polémica em torno do campeonato nacional, em que o <strong>Mindelense de São Vicente</strong> foi eliminado e a <strong>Ultramarina de São Nicolau</strong> joga a final da prova com o <strong>Sporting da Praia</strong>.</p> <p>No dia 30 de setembro, serão realizadas eleições antecipadas, preparadas por uma comissão liderada por <strong>Mário Avelino</strong>, presidente da Associação Regional de Santiago Sul.</p> <p>Avelino foi derrotado por Vítor Osório em <strong>2015</strong> e já garantiu que é novamente candidato.<br /> <br /> <strong>Vários nomes para a susbtituição de Osório</strong><br /> <br /> Vários outros nomes já se perfilam para liderar a federação, casos de <strong>José Mário Correia</strong> e <strong>Celestino Mascarenhas</strong>, com a imprensa cabo-verdiana a aventar a possibilidade do regresso de <strong>Mário Semedo</strong>, bem como dos nomes de <strong>Gerson Melo e Rui Évora</strong>.</p> <p>As polémicas na <span class="caps">FCF</span> acontecem a uma semana de a seleção receber no Estádio Nacional a <strong>África do Sul</strong>, em jogo da terceira jornada do Grupo D da zona africana de apuramento para o <strong>Mundial da Rússia</strong>, em <strong>2018</strong>.</p> <p>As duas seleções voltam a defrontar-se quatro dias depois, em <strong>Durban</strong>, em jogo da quarta jornada do grupo, composto ainda por <strong>Senegal</strong> e <strong>Burkina Faso</strong>.</p> <p>Mas Mário Avelino disse que a comissão não tem verbas para dois jogos com a África do Sul, pelo que vai ter que recorrer ao Governo.</p>