Última hora

Vítimas de bebés roubados pedem censo de desaparecidos

Vítimas espanholas de bebês roubados exigem criação de "censo nacional" de desaparecidos

Em leitura:

Vítimas de bebés roubados pedem censo de desaparecidos

Tamanho do texto Aa Aa

As vítimas espanholas de bebês roubados exigiram a criação de um “censo nacional” de pessoas desaparecidas para conhecer o tamanho do problema, que poderia afetar cerca de 300 mil recém-nascidos em todo o país.

Dezenas de pessoas reuniram-se no Congresso dos Deputados, em Madrid, para comemorar o Dia Internacional de Desaparecimentos Forçados, com o objectivo de prosseguir “a luta” contra crianças roubadas e adoções ilegais e sublinhar que se trata de uma “matéria de Estado “.

A manifestação foi convocada pelas organizações “caminho da justiça”, o Observatório Internacional para a Defesa dos Direitos Humanos “Novo Agora” e a Associação de Vítimas contra a impunidade do desaparecimento da infância (Avidna).

Em declarações à agência EFE, o coordenador da “Nova Agora”, Pedro Caraballo, considerou essencial um censo nacional para bebês roubados para “para fechar a transição” da ditadura para a democracia a partir de 1975.

Os relatos de roubo de crianças para entrega posterior a outras famílias, em muitos casos mediante pagamento, ocorreram principalmente entre 1950 e 1990.

Até agora, a Justiça espanhola decidiu processar dois médicos e investigou uma freira, que morreu em janeiro de 2013.

Caraballo lamentou que, apesar das promessas dos políticos, não houve “grandes progressos nos últimos meses”, embora tenha reconhecido “alguns passos”, como a alocação de 100.000 euros no Orçamento do Estado espanhol, destinado a criar um banco de DNA.

Ele também denunciou a atitude da Igreja Católica, porque é “fechado totalmente” contra as reivindicações das vítimas e criticaram os obstáculos legais que, em sua opinião, são os advogados das vítimas.

Eles lamentaram que o Ministério espanhol da Justiça e a Igreja, asseguraram, não fornecem documentos relacionados a “nascimentos, histórias médicas ou outros assuntos”.