Última hora

Odinga rejeita novas eleições presidenciais sem "garantias"

Líder da oposição no Quénia disse querer novas eleições a 24 ou 31 de Outubro em vez da data de 17 de Outubro, escolhida pela Comissão Eleitoral na sequência da anulação do escrutínio de 08 de Agosto.

Em leitura:

Odinga rejeita novas eleições presidenciais sem "garantias"

Tamanho do texto Aa Aa

Entre críticas à Comissão Eleitoral do Quénia, o líder da oposição, Raila Odinga, enunciou, perante a imprensa, as condições para participar nas próximas eleições presidenciais.

Um escrutínio “livre”, “justo” e “credível” é essencial, ao qual se soma, para Odinga, a condição de uma auditoria do sistema eletrónico da comissão eleitoral (IEBC).

A oposição insiste que o sistema de transmissão de resultados das presidenciais recentes foi pirateado.

“Não participaremos nas eleições de 17 de outubro se não existirem garantias legais e constitucionais, porque não cometeremos de novo o mesmo erro. Esperamos resultados diferentes”, disse, em Nairobi, Raila Odinga, na presença dos principais líderes da coligação da oposição NASA (Super Aliança Nacional).

Odinga quer ainda reformas na Comissão Eleitoral.

Na resposta, o Presidente cessante, Uhuru Kenyatta – declarado vencedor das presidenciais pela comissão eleitoral – criticou o rival por dizer que a oposição não foi consultada sobre a data das novas eleições.

Na sexta-feira, o Supremo Tribunal anulou os resultados das eleições de 08 de agosto, reconhecendo a existência de “ilegalidades e irregularidades”, conforme denunciado pela oposição.