Última hora

Utilizar vírus no tratamento do cancro

Os vírus têm sido considerados como fontes de doenças, mas existe uma nova abordagem que utiliza vírus no tratamento do cancro.

Em leitura:

Utilizar vírus no tratamento do cancro

Tamanho do texto Aa Aa

Os vírus têm sido considerados como fontes de doenças, mas existe uma nova abordagem que utiliza vírus no tratamento do cancro. A biotecnologia utiliza vírus no tratamento de doenças letais alterando o seu ADN.

“A imuno-oncologia atua no sistema imunológico para destruir as células cancerígenas, desta forma há uma melhor eficácia, menos efeitos colaterais e usamos a mesma medicação para tratar diferentes tipos de cancro”, explica o analista farmacêutico, Jean-Jacques Le Fur.

A Transgene é uma PME francesa de biotecnologia que desenvolve vacinas e vírus para o tratamento de cancros e doenças infecciosas.
Altera o ADN de vírus específicos para que consigam encontrar células cancerígenas. Esses vírus destroem a estrutura das células replicando-se ou matam essas células indiretamente, desencadeando o próprio sistema imunitário dos organismos. Não existem efeitos colaterais como na quimioterapia e radioterapia. “Estamos a utilizar vírus para tratar o cancro e doenças infecciosas. Mais especificamente no campo da oncologia – estamos a educar o sistema imunitário para o reforçar e ajudá-lo a combater e a matar as células anormais, como as células cancerígenas”, acrescenta o diretor da empresa, Phillipe Archinard.

A investigação e desenvolvimento dos produtos custa tempo e dinheiro: a Transgene confiou na ajuda financeira dos acionistas; no apoio especial do governo francês e num empréstimo exclusivo do programa InnovFin, do Banco Europeu de Investimento. “Estamos a completar um programa de desenvolvimento clínico muito ambicioso. O objetivo é alcançar resultados clínicos significativos – isso vai acontecer nos próximos de 12 meses – e traduzir esses resultados em parcerias com grandes empresas farmacêuticas ou de biotecnologia”, adianta Phillipe Archinard.

Estes desenvolvimentos inovadores podem revolucionar o setor farmacêutico e da saúde, mas nem sempre é fácil realizar testes clínicos dispendiosos – principalmente para as pequenas empresas. É por isso que exigem apoios mais especializados. “As empresas são, geralmente, financiadas por investimentos ou por fundos para a inovação. Numa fase mais avançada: podem entrar nos mercados financeiros ou assinar acordos com laboratórios farmacêuticos”, conclui Jean-Jacques Le Fur.