This content is not available in your region

Congresso faz cair Governo

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Congresso faz cair Governo

<p>O Congresso do Peru retirou a confiança ao executivo do primeiro-ministro Fernando Zavala, o que precipitou a queda do governo. </p> <p>De acordo com a legislação peruana, um novo executivo deverá ser formado no espaço de 72 horas. A formação Força Popular, maioritária na assembleia com 71 deputados, foi a responsável pela retirada de apoio ao gabinete de Zavala.</p> <p>O presidente do Perú, Pedro Pablo Kuczinsky, declarou esta sexta-feira que procederá em conformidade com a lei depois da votação parlamentar que tirou a confiança ao primeiro-ministro, Fernando Zavala, e a todo o seu governo, o que obriga à cessação antes de 72 horas: “Respeito a Constituição e a democracia. Procederemos conforme a lei”, escreveu na conta de Twitter, alguns minutos depois do Congresso ter votado contra a moção de confiança pedida por Zavala, sem deixar de agradecer “o grande trabalho do meu primeiro-ministro e seu governo” e o esforço para “proteger políticas de Estado em benefício do país”.</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="es" dir="ltr">No cederemos, ni un paso atrás, en la defensa de la <a href="https://twitter.com/hashtag/ReformaEducativa?src=hash">#ReformaEducativa</a>. Por los niños, por el Perú, por la gobernabilidad. 3/3</p>— PedroPablo Kuczynski (@ppkamigo) <a href="https://twitter.com/ppkamigo/status/908572131839041536">September 15, 2017</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>Ao mesmo tempo, aproveitou para reafirmar que, sob o seu mandato, não cederá “nem um passo na defesa da reforma educativa”, política que levou à queda do executivo do primeiro-ministro, “pelas crianças, pelo Perú e pela governabilidade”.</p> <p>A moção de confiança pedida por Zavala visava evitar a censura à ministra da Educação, Marilú Martens, acusada de má gestão de uma greve de docentes que paralisou o sistema educativo peruano durante mais de dois meses.</p> <p>Desde o início do mandato, em julho do ano passado, Kuczinsky perdeu 3 ministros por pressões parlamentares, entre eles o antecessor de Martens na Educação.</p>