This content is not available in your region

O adeus à sonda Cassini

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com REUTERS
O adeus à sonda Cassini

<p>Após 20 anos a vaguear pelo espaço, 13 dos quais na órbita de Saturno, terminou esta sexta-feira a missão da sonda Cassini que mergulhou na atmosfera do planeta.</p> <p>Segundo a <span class="caps">NASA</span>, a sonda enviou imagens até ao último momento antes de perder contacto com a Terra.</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Where did <a href="https://twitter.com/CassiniSaturn"><code>CassiniSaturn</a> make its final plunge? This infrared view shows the spot in the atmosphere of the planet: <a href="https://t.co/KPNcuubRbO">https://t.co/KPNcuubRbO</a> <a href="https://t.co/2m5ZfiXKG6">pic.twitter.com/2m5ZfiXKG6</a></p>— NASA (</code>NASA) <a href="https://twitter.com/NASA/status/908700867750236160">September 15, 2017</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>Aquando do lançamento em outubro de 1997, a sonda transportava o módulo de aterragem, Huygens. A sonda Cassini alcançou a órbita de Saturno em 2004. Mais tarde, o módulo Huygens separar-se-ia dirigindo-se para Titã, uma das luas de Saturno.</p> <p>A missão Cassini abriu as portas à exploração dos anéis de Saturno assim como do respetivo campo magnético. Para além de Saturno, a sonda também recolheu informações sobre as luas Titã e Encelado, esta última sendo apontada por cientistas como um local que pode potencialmente albergar vida.</p> <p>A missão Cassini foi um projeto de colaboração entre a <span class="caps">NASA</span>, a agência Espacial Europeia e agência espacial italiana.</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Images from <a href="https://twitter.com/CassiniSaturn"><code>CassiniSaturn</a>'s <a href="https://twitter.com/hashtag/GrandFinale?src=hash">#GrandFinale</a> dive are being posted - <a href="https://t.co/yYbjbC4WLi">https://t.co/yYbjbC4WLi</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/GoodByeCassini?src=hash">#GoodByeCassini</a> <a href="https://t.co/bxIaQAxeFM">pic.twitter.com/bxIaQAxeFM</a></p>— NASA HQ PHOTO (</code>nasahqphoto) <a href="https://twitter.com/nasahqphoto/status/908676519429410816">September 15, 2017</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>“A grande questão é saber o que vai acontecer a seguir ao enorme sucesso da missão Cassini. Durante a próxima década, tanto a <span class="caps">NASA</span> como a <span class="caps">ESA</span> vão enviar sondas às luas geladas de Jupiter. Quanto a Saturno, existe uma enorme inclinação por parte da comunidade científica para regressar a Encelado e a Titã, para explorar mais a fundo e tentar encontrar sinais de vida. Há muito trabalho pela frente”, afirma Jeremy Wilks, jornalista da euronews especialista em questões do Espaço.</p>