Última hora

Exército sírio penetra a cidade de Deir ez-Zor

Exército sírio assumiu o controlo do bairro de Al-Jafra, na cidade de Deir ez-Zor. Na margem oriental do Eufrates avançam as Forças Democráticas da Síria (FDS), apoiadas pelos Estados Unidos e por Israel

Em leitura:

Exército sírio penetra a cidade de Deir ez-Zor

Tamanho do texto Aa Aa

O exército sírio assumiu no domingo o controlo do bairro de Al-Jafra, na cidade de Deir ez-Zor, apertando o cerco em torno dos extremistas sunitas do Daesh, segundo uma fonte militar síria. A ofensiva das forças sírias conta com o apoio aéreo russo e, no terreno, das milícias xiitas ligadas ao Irão.

Enquanto o exército sírio avança na margem ocidental do rio Eufrates, as Forças Democráticas da Síria (FDS), apoiadas pelos Estados Unidos e por Israel, e compostas principalmente por combatentes curdos, aproximam-se da cidade a partir do leste.

Está em jogo, para além do ataque aos jihadistas do Daesh, o interesse dos Estados Unidos e de Israel de evitar que o exército sírio recupere a margem oriental do Eufrates.

Parte dos habitantes de Deir ez-Zor que sobreviveram aos bombardeamentos e conseguiram sair da cidade refugiaram-se num acampamento em Ash-Shaddadi, no deserto. Muitos perderam familiares.

“Os aviões fizeram bombardeamentos aleatórios. Mataram e feriram adultos e crianças, arrasaram casas. Quem podia fugiu, ficaram os mais velhos, que não podiam fugir”, conta uma jovem mãe.

Damasco acusa os Estados Unidos e Israel de apoiarem os combatentes curdos para retirar parte do país das mãos de Bashar al-Assad.
A região de Deir ez-Zor tem uma importância suplementar, pois estão ali as maiores reservas de combustíveis fósseis da Síria.

Na sexta-feira, as milícias sírias apoiadas pelos Estados Unidos anunciaram que não permitirão que as forças de Damasco atravessem o rio Eufrates na tentativa de recuperar o leste do país, estabelecendo uma linha a não transpor pelo presidente Bashar al-Assad.

O comandante do auto-proclamado conselho militar de Deir ez-Zor, Abu Khawla, disse que uma administração civil seria criada para governar algumas áreas da província de Deir ez-Zor, conquistadas ao Daesh, incluindo os campos de petróleo. O governo sírio não está “apto para liderar e governar o povo”, disse Khawla.