This content is not available in your region

Macron considera "grande erro" denunciar acordo nuclear com o Irão

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Macron considera "grande erro" denunciar acordo nuclear com o Irão

<p>O Presidente francês Emmanuel Macron afirmou, na primeira intervenção na <span class="caps">ONU</span>, que seria “um grande erro” denunciar o acordo nuclear com o Irão e ainda que o Acordo de Paris sobre o clima “não será renegociado”.</p> <p>“O nosso compromisso acerca da não-proliferação resultou num acordo forte e robusto que assegura que o Irão não adquire armas nucleares. Denunciá-lo hoje sem propor qualquer outra coisa seria um grande erro, não o respeitar seria irresponsável porque é um acordo útil”, disse Macron perante a Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas.</p> <p>Estas declarações surgem em resposta à intervenção do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que disse pouco antes, na mesma sessão, que o acordo alcançado pelo seu país e outras potências com o Irão é “uma vergonha”.</p> <p>Trump admitiu retirar os <span class="caps">EUA</span> do acordo se suspeitar que o objetivo é “encobrir uma eventual construção de um programa nuclear” iraniano. </p> <p>Relativamente ao Acordo de Paris sobre o clima, Emmanuel Macron afirmou que esse “não será renegociado” e que continuará a ser implementado com os países que “querem criar um mundo melhor”.</p> <p>Macron acrescentou que “a porta estará sempre aberta” para os <span class="caps">EUA</span>, depois de Donald Trump ter anunciado a saída do seu país desse acordo.</p> <p>O Presidente francês destacou ainda na sua intervenção os conflitos na Birmânia, afirmando que está a ser feita uma “limpeza étnica” contra os rohingya.</p> <p>Emmanuel Macron acrescentou que as autoridades birmanesas devem parar as operações militares e facilitar a entrega de ajuda humanitária às pessoas afetadas.</p> <p>“As operações militares devem cessar, o acesso humanitário deve ser assegurado e o direito restabelecido”, disse.</p> <p>Segundo Macron, a França vai propor ao Conselho de Segurança da <span class="caps">ONU</span> uma iniciativa de resposta ao conflito. </p> <p>[LUSA]</p>