This content is not available in your region

Crise na Frente Nacional. Vice-presidente bate com a porta.

Access to the comments Comentários
De  Antonio Oliveira E Silva
Crise na Frente Nacional. Vice-presidente bate com a porta.

<p>Florian Philippot, considerado pelos <em>media</em> franceses como o braço direito de Marine Le Pen, anunciou, durante uma entrevista à televisão pública francesa, que estava de saída do partido Frente Nacional (extrema-direita, nacionalistas.)</p> <p>Philippot anunciou a decisão depois de ter sido sancionado por Marine Le Pen por um alegado conflito de interesses entre as funções que desempenha na Frente Nacional e o facto de ser presidente da associação “Os Patriotas.”<br /> <br /> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt"><p lang="fr" dir="ltr">Philippot quitte le FN <a href="https://t.co/jwXS5voARr">https://t.co/jwXS5voARr</a> par <a href="https://twitter.com/GuillaumeDaudin"><code>GuillaumeDaudin</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/AFP?src=hash">#AFP</a> <a href="https://t.co/hpijuLEMtT">pic.twitter.com/hpijuLEMtT</a></p>— Agence France-Presse (</code>afpfr) <a href="https://twitter.com/afpfr/status/910848840701321216">21 de setembro de 2017</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script><br /> <br /> Philippot diz que o alegado conflito de interesses referido por Le Pen mais não foi do que um argumento para retirar-lhe poder, uma vez que lhe foram retiradas todas as responsabilidades no seio do partido. </p> <p>O agora antigo vice-presidente diz também que a líder da FN queria também esconder o que definiu como “o retrocesso” que poderia sofrer o partido depois da anunciada refundação.</p> <p>“Agora parece que sou vicepresidente de nada. Não gosto de fazer figuras ridículas e não gosto de não fazer nada. Por isso, claro que abandono a Frente Nacional”, disse, durante a entrevista à France 2. <br /> <br /> <strong>Para Marine Le Pen, antigo número dois assume “papel de vítima”</strong><br /> <br /> Marine Le Pen regiu rapidamente à decisão de Philippot. Para a líder da Frente Nacional, este optou por um “processo de vitimização”. Le Pen disse que Philippot não foi capaz de assumir a necessidade de debate para refundar o partido.</p> <p>Marine Le Pen indicou também que ela era a pessoa mais adequada para apresentar-se como candidata da Frente Nacional às eleições presidenciais de 2022. <br /> <br /> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt"><p lang="fr" dir="ltr">Après le départ de Florian Philippot, Marine Le Pen nomme David Rachline à la communication du FN <a href="https://t.co/TlqyyTrRN7">https://t.co/TlqyyTrRN7</a> <a href="https://t.co/VM7x1oLgWb">pic.twitter.com/VM7×1oLgWb</a></p>— franceinfo (@franceinfo) <a href="https://twitter.com/franceinfo/status/910895145255448576">21 de setembro de 2017</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script><br /> <br /> Depois da derrota nas presidenciais, em maio deste ano, a Frente Nacional atravessa uma crise interna. </p> <p>Muitos dizem que a imagem do partido, que muitos franceses identificam com o pai de Marine Le Pen, Jean-Marie Le Pen, terá sido motivo para que votarem noutro candidato.</p> <p>A mudança do nome e do logotipo do partido é uma possibilidade regularmente referida pela imprensa francesa.<br /> <br /> <strong>Uma eminência parda da Frente Nacional</strong><br /> <br /> Florian Philippot tem 36 anos e aderiu à Frente Nacional em 2011, tendo sido responsável pela campanha presidencial de Marine Le Pen. </p> <p>Posteriormente, foi nomeado porta-voz da coligação de partidos nacionalistas para as eleições legislativas de 2012, a <em>Rassemblement Bleu Marine</em> (<span class="caps">RBM</span>).</p> <p>Em julho de 2012, assumiu a função de vice-presidente da Frente Nacional, assim como de responsável pela estratégia de comunicação do partido. Uma missão que fez de Philippot a nova cara do partido de extrema-direita, presente nos <em>media</em> nacionais de forma regular.</p> <p>Depois das derrotas nas legislativas de 2012 e nas municipais de 2014, foi eleito deputado para o Parlamento Europeu. </p> <p>É ainda membro do Concelho Regional da região administrativa de Grand Est (resultante da fusão entre a Alsácia, Lorraine e Champagne-Ardennes).</p> <p><strong>Com <span class="caps">AFP</span></strong></p>