Última hora

Recordes de natação em Asbagate, com direitos humanos em pano de fundo

A equipa feminina de Hong Kong brilhou nas provas de natação em Asbagate. Entretanto, as organizações de direitos humanos denunciam outro tipo de recordes no país

Em leitura:

Recordes de natação em Asbagate, com direitos humanos em pano de fundo

Tamanho do texto Aa Aa

Uma jornada de recordes no Centro Aquático de Asgabate, no Turquemenistão, na quinta edição dos Jogos Asiáticos em Recinto Coberto, com destaque para a equipa feminina de Hong Kong. As nadadoras hongkonguesas bateram o recorde da estafeta nos 4×50 metros estilos, com um tempo final de 1:48:79, numa disciplina que reúne quatro estilos: mariposa, costas, bruços e crawl.

O segundo lugar no pódio foi para a China, a Tailândia ficou em terceiro. Hoi Chun Stephanie e Kong Yvette Man-Yi fizeram coro depois do triunfo alcançado: “Nós acabámos de fazer isto, acabámos de vencer!”

Para Kong Yvette Man-Yi, “o trabalho de equipa é o melhor, concretiza os nossos sonhos! Estamos muito excitadas! Estamos convencidas que fizemos um bom trabalho representando Hong Kong e o ambiente tem sido excelente aqui. Asgabate fez um ótimo trabalho como anfitriã dos Jogos!”

“Estamos felizes. Esta medalha foi talvez um pouco inesperada, especialmente por termos batido um recorde dos Jogos”, acrescentou Hoi Chun Stephanie.

China no pódio

A China abriu a caça ao ouro desde o primeiro dia de competições, conseguindo impôr-se na prova em piscina curta.

Wang Lizhuo, de 19 anos, é um dos melhores nadadores a equipa. Já conquistou dois ouros e uma prata e bateu dois recordes nas finais dos 100 metros e 50 metros bruços masculinos. Wang não escondeu a satisfação em conversa com a equipa da Euronews:

“É muito importante para mim. Tenho a medalha de ouro! Receava terminar em segundo lugar, os primeiros 50 metros foram muito apertados, mas ganhei e estou muito feliz”.

Panem et circenses

Entretanto as organizações de direitos humanos têm acusado o Turquemenistão de usar os Jogos para camuflar prisões arbitrárias, repressão sobre ativistas políticos e jornalistas, e a censura da internet e das redes sociais.

A organização não governamental Human Rights Watch (HRW) denunciou o silêncio do Conselho Olímpico da Ásia (OCA) face à inexistência no país de meios de comunicação social independentes e às detenções de jornalistas turcomenos correspondentes da imprensa estrangeira, recordando que a liberdade de imprensa é um pilar fundamental de Carta Olímpica.

Recordes

O Turquemenistão tem a terceira maior reserva de gás natural do planeta e o número de prisioneiros mais alto à escala mundial.