Última hora

Impasse em Berlim ensombra "discurso europeu" de Macron

Presidente francês pronuncia esta tarde um "discurso europeu" na universidade Sorbonne em Paris

Em leitura:

Impasse em Berlim ensombra "discurso europeu" de Macron

Tamanho do texto Aa Aa

O impasse pós-eleitoral na Alemanha ameaça o plano de relançamento do projeto europeu do presidente francês. Emmanuel Macron pronuncia esta tarde um discurso sobre a Europa na Universidade Sorbonne em Paris. Uma intervenção que coincide com a vaga de protestos, no país, contra os decretos com que o novo chefe de Estado pretende reformar a lei do trabalho.

Macron tinha agendado o discurso europeu para depois do sufrágio alemão para defender a necessidade de relançar o chamado motor franco-alemão da Europa, em plena saída do Reino Unido da União Europeia.

O impasse sobre a futura coligação de Merkel poderá agora perturbar os planos de Macron que, como o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, pretende aprofundar a integração dos 27 com o reforço da zona euro e a nomeação de um ministro permanente das Finanças da União Europeia.

O projeto apoiado por Angela Merkel e pelo atual ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble, é no entanto, vivamente criticado pelos liberais democratas alemães, que poderiam integrar uma hipotética coligação com a CDU e os ecologistas.

O líder do FDP, Christian Lindner, tinha rejeitado a proposta de um orçamento anual para a zona euro, descartando a possibilidade de Berlim desembolsar mais de 60 mil milhões de euros num fundo destinado também aos países afetados pela crise económica.

Macron deverá igualmente defender um processo de reforma da UE a partir de “convenções democráticas” nacionais com vista à elaboração de um roteiro de medidas até ao Verão de 2018, a tempo de ser submetido a um voto durante as eleições europeias de 2019.

O discurso de esta terça-feira às 15h locais (menos uma hora em Lisboa) integra-se numa agenda europeia intensa para Macron que vai reunir-se com o primeiro-ministro Italiano, Paolo Gentiloni, antes de levar as suas propostas à cimeira digital da UE em Tallinn, na Estónia, na quinta e sexta-feira.