Última hora

O que faz a UE para ajudar os refugiados sírios na Turquia?

Com quase três milhões e meio de deslocados, a Turquia é o país que mais refugiados acolhe a nível global. Quais são as ajudas da União Europeia?

Em leitura:

O que faz a UE para ajudar os refugiados sírios na Turquia?

Tamanho do texto Aa Aa

Os seis anos de guerra civil na Síria já fizeram mais de 460 mil mortos. Os civis representam um quarto das vítimas. Calcula-se que haja 5,5 milhões de refugiados sírios no mundo inteiro. Mais de 3 milhões encontram-se na Turquia, o país que mais refugiados acolhe a nível global. Quais são as ajudas da União Europeia?

Sanliurfa é uma cidade com dois milhões de habitantes no sudeste da Turquia. É um dos principais pontos de acolhimento de sírios nesta região. Estima-se que um quarto da população local tenha fugido do país vizinho.

Fomos ao encontro de Fadi Yusuf Allavi, que vem de Raqqa e chegou a Sanliurfa há dois anos. “Antes da guerra, tinha uma vida normal na Síria. Trabalhava como taxista. Vivia com a minha família. Mas depois comecei a ver bombardeamentos, ataques aéreos. Ninguém pode aguentar aquilo. Decidi vir para a Turquia”, conta-nos.

Fadi utiliza um cartão de débito fornecido pelo projeto da Rede de Segurança de Emergência Social, um programa europeu que dá apoio a quase um milhão de refugiados neste país. Trata-se do mais vasto projeto que o Gabinete de Ajuda Humanitária da União Europeia já criou.

“Dão-me à volta de 200 euros. Tenho 5 filhos. Recebo 28 euros por familiar. Uso o dinheiro para pagar a renda, para comprar chá, açúcar, óleo, carne, pão… tudo aquilo que precisamos”, diz-nos Fadi.

Ao contrário doutros programas de assistência, o utilizador pode escolher onde gasta o dinheiro. “Levantei mais de 20 euros. Prefiro ir gerindo o dinheiro que tenho na mão para saber exatamente quanto gasto no supermercado. Este montante dura-me quase uma semana”, revela Fadi.

Os cidadãos sírios não são oficialmente considerados como refugiados na Turquia. É-lhes atribuído um estatuto de proteção temporária, com direitos limitados e um acesso ao mercado de trabalho condicionado. Mesmo assim, poucos são os que vivem exclusivamente das ajudas.

90% dos refugiados na Turquia não vivem em campos, mas sim nas cidades. É o facto de terem uma morada, mesmo que seja a mais precária das habitações, que lhes dá acesso a vários tipos de assistência.

Suriyye Juneid tem 7 filhos. Vive numa antiga loja abandonada, agora transformada em residência. O cartão ajuda-a a pagar a luz, a alimentação e os 20 euros de renda mensal. “Antes de receber o cartão tinha de trabalhar na apanha de algodão. Agora posso ficar a tratar dos meus filhos”, afirma.

É o Programa Alimentar Mundial da ONU e os seus parceiros que implementam este projeto europeu no terreno. Parte do trabalho consiste em monitorizar as famílias para apurar se ainda necessitam do cartão e de que forma é utilizado o dinheiro.

“É importante recolher os dados para corrigir eventuais erros, mas também para obter mais informações de forma a adaptar o programa às necessidades”, declara Martin Penner, do Programa Alimentar Mundial.

O programa europeu pretende alcançar 1,3 milhão de refugiados até ao final do ano. A implementação é feita com a ajuda do Crescente Vermelho e do governo turco. Mathias Eick, do Gabinete de Ajuda Humanitária da UE, salienta que “o projeto reúne os princípios humanitários com a eficácia de estruturas públicas já existentes. Isso permitiu-nos alcançar rapidamente uma dimensão tão grande. O cartão é uma plataforma para diferentes tipos de ajuda. Podemos fornecer apoio financeiro para ajudar as crianças a irem à escola, por exemplo. É um projeto que rompe com os moldes tradicionais do apoio humanitário”.

Fadi faz parte dos cerca de 30% de refugiados sírios que recebem algum tipo de ajudas sociais na Turquia.

Aid Zone 5 TURKEY