Última hora

Comissão Europeia apela ao diálogo entre Madrid e Barcelona

Timmermans apelou ao diálogo entre as autoridades de Madrid e do governo autónomo da Catalunha.

Em leitura:

Comissão Europeia apela ao diálogo entre Madrid e Barcelona

Tamanho do texto Aa Aa

O parlamento europeu em Estrasburgo debateu esta quarta-feira a situação na Catalunha à luz dos acontecimentos violentos que marcaram o referendo do fim-de-semana passado. O primeiro vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans, apelou ao diálogo como a única forma de ultrapassar o impasse.

“É claro que qualquer governo tem o dever de defender o estado de direito e por vezes tal requer o uso proporcional de força; a União Europeia apelou a todos os atores relevantes para passarem rapidamente do confronto ao diálogo”, disse Timmermans durante a sua intervenção.

Os eurodeputados espanhóis, que não participaram do debate, mostraram diferenças quanto ao papel da união europeia na crise catalã.

“Esta semana poderá haver uma declaração unilateral de independência, o que seria um grave erro do meu ponto de vista, uma vez que poderá dar origem a uma repressão ainda maior por parte do governo de Espanha. Por isso, trata-se de uma situação muito delicada, não é um problema espanhol mas sim um problema europeu e precisamos de uma intervenção da comissão”, afirmou Ernest Urtasun do Grupo dos Verdes/Aliança Livre Europeia.

Fora do hemiciclo, tudo aponta para que independentemente da cor política, o caminho em frente é o diálogo e não a ruptura.

O eurodeputado espanhol, Santiago FISAS, do Grupo EPP adiantou, “eu não disse, e eu sou catalão, que governos espanhóis anteriores, sejam socialistas ou Populares, em vários momentos não mostraram a sensibilidade que nós, os catalães, gostariamos de ter visto. Mas a solução não é a ruptura, é o diálogo, mas sempre dentro do enquadramento legal”.

As autoridades da Catalunha anunciaram que o parlamento se irá reunir na segunda-feira.

Ao abrigo do artigo 155 da constituição espanhola, o governo de Madrid pode impor governação direta sobre regiões autónomas.