Última hora

Última hora

Sputnik: o primeiro satélite da história faz 60 anos

O feito inédito da antiga URSSA deixou a América de boca aberta perante a capacidade dos rivais comunistas em 1957 e ainda mais um mês depois com a primeira astronauta, a cadela Laika

Em leitura:

Sputnik: o primeiro satélite da história faz 60 anos

Tamanho do texto Aa Aa

Há 60 anos a antiga União Soviética (URSS) calou os Estados Unidos na corrida pelo espaço. Um foguetão inicialmente projetado para transportar uma bomba atómica colocou na órbita da terra uma pequena esfera metálica com pouco mais de meio metro de diâmetro, cerca de oitenta quilos e a capacidade de comunicar.

O primeiro satélite da história chamou-se Sputnik, levava hora e meia para cada volta à terra e enviava sinais de rádio. Os sinais do triunfo soviético na corrida ao espaço. Os americanos nem queriam acreditar em tal derrota perante os comunistas e pior ficaram um mês depois quando os rivais colocaram o primeiro ser vivo em órbita do planeta: a famosa cadela Laika.



Para marcar os 60 anos do lançamento do Sputnik, a Rússia apresentou em Moscovo um inédito filme registado a 360° e produzido na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla inglesa).

“Foi muito interessante para nós ver o resultado das filmagens porque pela câmara não conseguíamos entender como ia ficar. Sei como é aos olhos de um astronauta. É uma vista única que qualquer pessoa que tenha estado no espaço quer partilhar”, disse o astronauta russo Sergey Ryazansky, atual membro da expedição 52/53 e um dos “cameramen” improvisados no espaço.

O filme em realidade virtual permite experienciar um dos passeios espaciais realizados pelos astronautas da ISS.