Última hora

Última hora

As falhas de segurança em redes wi-fi "descodificadas"

Mathy Vanhoef é, juntamente com Frank Piessens, um dos autores do relatório sobre falhas de segurança em redes wi-fi que apanhou todos de surpresa.

Em leitura:

As falhas de segurança em redes wi-fi "descodificadas"

Tamanho do texto Aa Aa

Investigador da Universidade Católica de Lovaina pós-doutorado em segurança informática, Mathy Vanhoef é um dos autores do relatório sobre falhas de segurança em redes wi-fi que apanhou todos de surpresa, quer utilizadores de computadores quer de tablets ou telemóveis.

O conteúdo do documento será apresentado em novembro numa conferência, mas em entrevista à Euronews Vanhoef descodificou o que está em causa: “Descobrimos uma nova vulnerabilidade no protocolo WP2. Este protocolo é uma tecnologia usada para proteger e garantir a segurança da informação que transmitimos através de uma rede de wi-fi. Encontrámos falhas de segurança bastante sérias, às quais os hackers poderão recorrer para descodificar a encriptação que está a ser usada. Dito de outra forma, poderão roubar informação sensível que pensávamos estar em segurança.”

Através de um site criado por Vanhoef é possível perceber em pormenor os contornos do problema e a metodologia usada.

“Descobrimos por nós mesmos. Notificámos as empresas com antecedência para que pudessem preparar atualizações para se defenderem contra estas fragilidades antes de os atacantes poderem fazer qualquer ofensiva. Publicámos os detalhes técnicos por detrás dos ataques. Neste momento, não penso que estejam a ser feitos abusos porque os ataques que podem ser realizados contra as vítimas levam algum tempo a ser implementados. Este é um período ideal para os utilizadores atualizarem os dispositivos antes de serem explorados livremente”, sublinhou Vanhoef.

A Google, responsável pelo sistema Android particularmente exposto, prometeu para “as próximas semanas” uma correção para os dispositivos afetados.

Já a Apple ainda não se pronunciou sobre datas nem se os IPhones estão vulneráveis. A Microsoft anunciou já ter gerido a crise.