Última hora

Última hora

Editor do jornal Malta Today reage à morte de Daphne Caruana Galizia

Na reação à morte de Daphne Caruana Galizia, o editor do Malta today, um dos jornais com os quais a jornalista colaborava, contou à Euronews que o seu país está em choque. Para Matthew Vellaa, a morte de Daphne Galizia é um tragédia e um dia triste para a democracia.

Em leitura:

Editor do jornal Malta Today reage à morte de Daphne Caruana Galizia

Tamanho do texto Aa Aa

Na reação à morte de Daphne Caruana Galizia, o editor do Malta today, um dos jornais com os quais a jornalista colaborava, contou à Euronews que o seu país está em choque. Para Matthew Vellaa, a morte de Daphne Galizia é um tragédia e um dia triste para a democracia.

Testemunho de Matthew Vellaa

“…As pessoas falam sobre ela como uma jornalista controversa, decididamente como uma jornalista destemida e corajosa a maior parte das vezes, imprudente também…Definitivamente ela enfrentou o poder estabelecido. Criou inimizades com diferentes grupos, políticos e não só da sociedade maltesa – em muitos assuntos era uma referência.

Daphne Galizia foi a primeira a investigar os Panama Papers. Depois houve uma serie de casos de difamação e de calúnia contra ela. Um ano depois, continuava a escrever sobre fugas de informação de uma investigação da Unidade de Inteligência Financeira de Malta a um banco privado do país, e sobre casos de suspeitas de suborno e lavagem de dinheiro que envolviam o poder político em Malta. Neste caso, as suspeitas eram tão graves que o primeiro-ministro pediu um inquérito que continua ainda hoje.

Como é que pode acontecer um ataque destes em 2017 numa democracia liberal e num país da União Europeia? Este assassinato levanta questões sobre a cultura da impunidade que algumas vezes não é controlada em Malta, sobre a segurança em Malta e sobre a segurança para os jornalistas. Nunca poderíamos acreditar que uma coisa destas iria acontecer, ao estilo da Máfia a um jornalista – especialmente a um jornalista empenhado que acompanhou grandes histórias. E é esta a impressão com que ficamos – que a Daphne Caruana Galizia talvez tenha sido impedida de começar a investigar mais uma grande história”.