Última hora

Última hora

Desminar Raqqa antes de declarar a "libertação"

Em leitura:

Desminar Raqqa antes de declarar a "libertação"

Tamanho do texto Aa Aa

A milícia das Forças Democráticas da Síria prossegue as operações de desminagem em Raqqa, um dia após ter retomado o controlo de 95% do bastião do grupo Estado Islâmico.

Os milicianos árabes e curdos apoiados pelos Estados Unidos tardam ainda em declarar oficialmente a “libertação” da cidade, quando continuam à procura de combatentes islamitas nos túneis e edifícios da localidade.

Os residentes são para já aconselhados a não regressar a casa face ao risco de derrocada de edifícios e da deflagração de explosivos dissimulados pelo grupo islamita.

Uma situação que não impediu festejos de rua por parte dos milicianos.

Segundo o Alto Comissaridado da ONU para os refugiados, quase 40 mil pessoas teriam abandonado Raqqa nos últimos dias, na reta final de 4 meses de ofensiva.

A milícia síria concentra-se agora naquela que se anuncia como a derradeira batalha contra o Estado Islâmico no país, na província de Deir Al-Zor, em torno da localidade de Albu Kamal, junto à fronteira com o Iraque.

Uma batalha em duas frentes, quando as milícias curdas e árabes avançam a leste e o exército sírio e os seus aliados a oeste do rio Eufrates.

Esta quarta-feira, aviões não identificados tinham bombardeado as imediações do maior campo petrolífero da Síria, em Al Omar, controlado ainda pelo grupo islamita.