This content is not available in your region

Banco Central Europeu reduz compras de ativos a partir de janeiro

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Banco Central Europeu reduz compras de ativos a partir de janeiro

<p>Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu, anunciou esta quinta-feira a redução da compra de ativos para metade, no inicio do próximo ano, dizendo ser o reflexo da confiança do <span class="caps">BCE</span> na retoma da economia da zona euro:<br /> “A taxa de juro diretora do Banco Central europeu manteve-se inalterada e esperamos que continue no nível atual por um longo período de tempo, bem para lá do nosso horizonte das compras de ativos”. </p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Additional information on asset purchase programme <a href="https://t.co/nkQNYzmbSo">https://t.co/nkQNYzmbSo</a></p>— <span class="caps">ECB</span> (@ecb) <a href="https://twitter.com/ecb/status/923548150912122882?ref_src=twsrc%5Etfw">October 26, 2017</a></blockquote><br /> <script async src="https://platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>“Recalibração”, chamou Draghi a esta alteração do programa QE (<a href="https://www.ecb.europa.eu/explainers/show-me/html/app_infographic.en.html">Quantitative Easing</a>), que consistirá na redução para metade do valor mensal de aquisições de dívida pública e privada, a partir de janeiro do próximo ano.</p> <p>Nessa data, o <span class="caps">BCE</span> passa a comprar apenas 30 mil milhões de euros por mês. Por outro lado, o programa foi alargado até setembro.</p> <p><blockquote class="twitter-video" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Watch again: Draghi on reasons for keeping asset purchases open-ended <a href="https://t.co/O1P88ysKyR">pic.twitter.com/O1P88ysKyR</a></p>— <span class="caps">ECB</span> (@ecb) <a href="https://twitter.com/ecb/status/923606039332827136?ref_src=twsrc%5Etfw">October 26, 2017</a></blockquote><br /> <script async src="https://platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>Draghi considera que a meta de uma inflação a rondar os 2% no médio prazo ainda não foi atinginda , justificando assim a necessidade de continuar com o programa.</p>