Última hora

Última hora

Parlamento da Catalunha decide independência

Carles Puigdemont afastou a possibilidade de convocar eleições antecipadas.

Em leitura:

Parlamento da Catalunha decide independência

Tamanho do texto Aa Aa

O Parlamento regional da Catalunha discute, esta sexta-feira (27 de outubro), se declara ou não a independência unilateral da região.

O presidente do Governo regional afastou a possibilidade de convocar eleições antecipadas, alegando não ter recebido garantias do Governo Central de que o Artigo 155 seria travado. Carles Puigdemont confiou ao hemiciclo catalão a resposta à suspensão da autonomia decidida por Madrid.


“Em resposta à agressão, que é a aplicação do Artigo 155 da Constituição, nós continuamos a seguir o mandato que povo da Catalunha nos deu no referendo de 1 de outubro”, afirma o porta-voz da coligação “Junts Pel Si”, Lluis Corominas.

O afastamento da possibilidade de eleições antecipadas levou à demissão de Santi Vila. O conselheiro regional com a pasta da Indústria foi uma das vozes mais fortes contra a declaração unilateral de independência.

A dirigente do Partido Ciudadanos na Catalunha, Inés Arrimadas, defende que “nem o processo de Kafka foi tão kafkiano como o processo do senhor Puigdemont. Isto é ridículo e horrendo. Já chega, senhor presidente.”

Os avanços e recuos de Carles Puigdemont provocaram cisões entre a coligação independentista que suporta o Governo regional.

Na quinta-feira, dois deputados do Partido Democrático Europeu Catalão, de Puigdemont, demitiram-se por discordarem com a possibilidade de eleições antecipadas.

A enviada da euronews à Catalunha refere que “depois de outro dia de máxima incerteza e tensão, no bloco independentista, fica tudo em aberto. Teremos que esperar para ver como é que o Parlamento catalão responde à aplicação do artigo 155”.