Última hora

Última hora

Adiadas presidenciais em zonas da oposição

As eleições em quatro municípios no oeste do Quénia não se realizaram esta quinta-feira e foram adiadas indefinidamente.

Em leitura:

Adiadas presidenciais em zonas da oposição

Tamanho do texto Aa Aa

Os sinais de confrontos ainda são visíveis em várias partes da cidade de Kisumu, um dos bastiões do líder da oposição Raila Odinga, no oeste do Quénia.

A jornada deste sábado parece ser de aparente regresso à tranquilidade depois do adiamento indefinido das presidenciais em algumas zonas da oposição.

Na sequência do apelo ao boicote – por parte de Odinga – e perante os episódios de violência entre os habitantes e a polícia de choque, as presidenciais de quinta-feira acabaram por ser canceladas em quatro regiões que são bastiões da oposição.

“A situação política afeta-nos bastante porque não existem movimentos. Somos espancados por polícias, mas na verdade não sabemos se são polícias ou elementos da milícia Mungiki. Se fossem polícias deveriam proteger-nos em vez de nos bater”, denuncia Millicent Ogombe, comerciante.

Em Nairobi, a capital, também se registaram confrontos assim como em Mombaça.

O líder da oposição retirou-se da corrida eleitoral acabando por deixar o atual chefe de Estado, Uhuru Kenyatta, sem adversário.

Apenas 35% dos eleitores votaram e Kenyatta está na dianteira com 97% dos votos, de acordo com a imprensa local, mas a abstenção deverá enfraquecer o mandato.

Pelo menos seis pessoas morreram na violência relacionada com estas presidenciais. As eleições de agosto foram anuladas pelo Supremo Tribunal por irregularidades.