Última hora

Última hora

Diabo: uma ponte entre o passado e o futuro

São imagens que ilustram momentos da história italiana que os mais jovens não querem esquecer

Em leitura:

Diabo: uma ponte entre o passado e o futuro

Tamanho do texto Aa Aa

Estas são imagens raras da cidade de Cividale del Friuli, no nordeste de Itália durante a ocupação das tropas austro-húngaras. A paisagem mudou desde outubro de 1917 e a chamada “Ponte do Diabo” voltou a reerguer-se.

Artistas de rua de diferentes nacionalidades – italianos, eslovenos, austríacos e alemães – utilizam-na, agora, para selar um pacto de paz entre novas gerações. A ideia é recriar com recurso a uma pintura 3D o vazio produzido com a demolição da ponte durante a I Guerra Mundial. Um momento da história que os mais jovens querem manter vivo.

“Há 100 anos, os rapazes da minha idade estavam envolvidos no que aconteceu quer como soldados ou como civis. 100 anos depois, nós participamos nos eventos com a apresentação de performances. Acreditamos que é importante vivê-los porque fazem parte da nossa história, da história da nossa cidade e do nosso povo” afirma o estudante Simone Clavora.

“Vivemos diariamente diferentes frentes de guerra porque a guerra se globalizou, está mais próxima de nós. Deixamos de ser cidadãos de Itália, de Fruili ou Cividale. Passamos a ser cidadãos do mundo“acrescenta a estudante, Aurora Saccavini.

Em outubro de 1917, os impérios centrais ganharam a guerra na Frente Oriental, infligindo uma derrota à Itália naquela que ficou conhecida como a batalha de Caporetto.