Última hora

Última hora

Homenagem em Moscovo às vítimas do estalinismo

Milhares de pessoas reuniram-se em Moscovo para homenagearem as vítimas da repressão sob a liderança de Josef Estaline

Em leitura:

Homenagem em Moscovo às vítimas do estalinismo

Tamanho do texto Aa Aa

Como todos os anos, na última década, milhares de pessoas reuniram-se na praça Lubyanka, em Moscovo, para homenageram as vítimas da repressão estalinista. Na presença de familiares, entidades oficiais e embaixadores, os nomes conhecidos das vítimas foram lidos durante a cerimónia.

“As autoridades tentam, por vezes, fazer alguma aproximação a este passado negro. Vemos, por vezes, em diferentes situações, uma certa afinidade com a União Soviética de Estaline. É por isso que acontecimentos como este são da maior importância, para que as autoridades vejam que o povo não esquece”, refere Sergey Mitrokhin, o ex-líder do Yabloko, o Partido Democrático “Rússia Unida”.

Também para o embaixador da Alemanha em Moscovo, Rudiger von Fritsch, este tipo de cerimónias são fundamentais: “O século XX conheceu muita repressão. Também no meu país, a Alemanha. Por isso estamos a homenagear todas as vítimas, porque só a memória poderá ajudar-nos a evitar que estas coisas voltem a acontecer”.

Apesar de não existirem números oficiais, a ONG Memorial que organiza esta comemoração há 11 anos, fala em 12 milhões de vítimas, no período em que Josef Estaline liderou a União Soviética, entre 1924 e 1953.