Última hora

Última hora

Putin em visita de trabalho no Irão com Azerbaijão também à mesa

Presidente da Rússia foi recebido pelo homólogo Hassan Rouhani antes de um cimeira tripartida para falar da Síria, do Acordo Nuclear e cooperação abrangente.

Em leitura:

Putin em visita de trabalho no Irão com Azerbaijão também à mesa

Tamanho do texto Aa Aa

Vladimir Putin abre o novembro com uma visita oficial ao Irão, a terceira em 10 anos. O presidente da Rússia chegou esta quarta-feira a Teerão tendo em vista uma cimeira tripartida em que participa também o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev.

O presidente da Rússia foi recebido pelo homólogo Hassan Rouhani numa altura em que os Estados Unidos, em particular o presidente Donald Trump, têm ameaçado retirar-se do Acordo Nuclear assinado entre o grupo P5+1 e o Irão há quase dois anos.


O conflito na Síria, onde Rússia e Irão têm participado como aliados de Bashar al-Assad, é um dos principais temas numa agenda onde também estão previstas, adiantou o Kremlin, a cooperação económica, cultural e humanitária, e os esforços conjuntos na luta contra o terrorismo.

Os três chefes de Estado têm previsto adotar uma declaração conjunto englobando os principais pontos da futura cooperação. Putin têm em agenda reuniões bilaterais com Rouhani e Aliyev.

A chegada de Putin a Teerão coincide também com o lançamento das fundações para o segundo reator da central de energia nuclear de Bushehr, no sudoeste do Irão, junto ao golfo pérsico.

A Rússia é responsável pela construção de reatores nucleares no Irão. O segundo deverá estar operacional em 2025 e o terceiro dois anos depois, num negócio global estimado em 10 mil milhões de dólares (8,5 mil milhões de euros).

O primeiro reator nuclear no Irão, conhecido como Bushehr 1, terá sido pioneiro no Médio Oriente e foi ligado à rede elétrica nacional a 3 de setembro de 2011, tendo gerado “25 mil milhões de quilowatts/ hora de eletricidade desde que foi ligado, o equivalente a 11 milhões de barris de crude para produzir a mesma quantidade de energia”, referiu Ali Akbar Salehi, o chefe da Organização de Energia Atómica iraniana.