Última hora

Última hora

Portugal alinhado no crescimento económico, mas há divergências no défice

Todos os países da União Europeia registam crescimento económico em 2017, que se deve manter em 2018, segundo as previsões ecconómicas de Outono, apresentadas pelo executivo comunitário, quinta-feira, em Bruxelas.

Em leitura:

Portugal alinhado no crescimento económico, mas há divergências no défice

Tamanho do texto Aa Aa

Todos os países da União Europeia registam crescimento económico em 2017, que se deve manter em 2018, segundo as previsões ecconómicas de outono, apresentadas pelo executivo comunitário, quinta-feira, em Bruxelas.

Nesta tendência de recuperação, o Reino Unido começa a evidenciar-se como a exceção.

No conjunto dos 28 países, as previsões são de crescimento de 2,3% em 2017 e de 2,1 % em 2018.

Nos 19 países da zona euro, prevê-se um incremento de 2,2% em 2017 e de 2,1% em 2018.

O Reino Unido, envolto no complexo Brexit, registará um crescimento moderado, de 1,5% este ano e de 1,3% no ano que vem.

Nas previsões para 2019, ano que os britânicos devem sair da União, o PIB deve crescer 2% na União a 27 países, 1,9% na zona euro e apenas 1,1% no Reino Unido.

A crise na Catalunha tem levado ao encerramento de sedes sociais de empresas, quebras no turismo e é um factor de risco, mas ainda não há impacto macroeconómico.

“Vimos que as reações dos mercados foram moderadas. A situação deve ser tratada politicamente, o que é importante, mas não esperamos que tenha um forte impacto macroeconómico nem na Europa, nem na zona euro e nem, mesmo, em Espanha”, disse, à euronews, o comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici.


Apesar das boas notícias na economia real, escândalos como o dos “Paradises Papers” ensombram a confiança dos cidadãos, que vêm os ricos e poderosos escaparem ao pagamento dos impostos devidos.

“Tem de haver um dedo acusador. Quando um Estado aparecer na lista negra, vai de certeza adotar um comportamento diferente. Mas penso que, também, precisamos de dar o passo seguinte, que é estabelecer sanções apropriadas para esses países”, explicou Moscovici, que não quis adiantar se haverá países da União Europeia na lista.

As projeções económicas para Portugal mostram um alinhamento com os restantes países da União, com Bruxelas a rever em de 1,8% para 2,6% a sua previsão sobre o aumento da riqueza nacional, em 2017.

As estimativas também são positivas para 2018, antevendo um crescimento de 2,1%, quando antes tinha avançado com apenas 1,6%.

Mas há divergências entre Bruxelas e o governo de Lisboa no que respeita ao défice de 2018, que a comissão europeia estima ficar nos 1,4%, enquanto Portugal prevê a 1%.

O comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros admite que esses 0,4% possam ser reduzidos ou mesmo anulados, mas por enquanto mantém uma projeção mais conservadora relativamente à despesa pública, decorrente de compensações a trabalhadores e transferências sociais.