Última hora

Última hora

Nações Unidas apelam ao fim do bloqueio saudita ao Iémen

Riade diz que situação de catástrofe humanitária é da responsabilidade dos rebeldes hutis.

Em leitura:

Nações Unidas apelam ao fim do bloqueio saudita ao Iémen

Tamanho do texto Aa Aa

Os responsáveis de três agências da ONU alertaram que “milhares de vítimas inocentes” vão morrer no Iémen se continuar o bloqueio imposto pela coligação dirigida pela Arábia Saudita.

“Milhares de vítimas inocentes, entre as quais numerosas crianças, vão morrer” se não puderem ter acesso a ajuda humanitária, escrevem os responsáveis da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e do Programa Alimentar Mundial (PAM), num comunicado.

Adiantam que “os provimentos, que incluem medicamentos, vacinas e alimentos, são essenciais para combater a doença e a fome”.






“Mais de 20 milhões de pessoas, entre as quais 11 milhões de crianças, precisam urgentemente de ajuda humanitária”, indicam as agências, que sublinham que “perto de 400.000 crianças” podem morrer devido a “desnutrição aguda severa”.

Novos casos de difteria

As três agências registam já “consequências humanitárias do bloqueio”: 120 casos de difteria foram diagnosticados, provocando “14 mortes”, principalmente de crianças, nas últimas semanas, enquanto vacinas e medicamentos estão bloqueados nas fronteiras do Iémen.

A epidemia de cólera está em declínio, mas “se o embargo não for levantado, a cólera voltará”, sublinha o comunicado.

Arábia Saudita acusa Irão de apoiar os rebeldes

Após o disparo de um míssil no início de novembro pelos rebeldes iemenitas intercetado sobre a capital saudita, a coligação acusou o Irão de fornecer aquele tipo de míssil aos Huthis e reforçou o bloqueio marítimo, aéreo e terrestre ao país.

A coligação, que apoia o governo iemenita na guerra contra os rebeldes, iniciada há dois anos e meio, decidiu na segunda-feira reabrir em parte os portos aos carregamentos humanitários, o que foi considerado insuficiente pela ONU e organizações não-governamentais.






“Todos os portos do país, incluindo aqueles nas zonas controladas pela oposição, deveriam ser reabertos sem demora. É a única forma de os navios da ONU poderem entregar a ajuda humanitária que a população precisa para sobreviver”, disseram as três agências.

Segundo a ONU, o conflito no Iémen já causou mais de 8.650 mortos e cerca de 58.600 feridos, entre os quais numerosos civis.

Com Lusa