Última hora

Última hora

Exxon Mobil na exploração de gás natural na Bacia do Rovuma

Estado moçambicano prevê arrecadar mais de 300 milhões de euros com a tributação da transação.

Em leitura:

Exxon Mobil na exploração de gás natural na Bacia do Rovuma

Tamanho do texto Aa Aa

A entrada da petrolífera norte-americana Exxon Mobil na exploração de gás natural em Moçambique foi oficializada pela ministra Recursos Minerais e Energia, Letícia Klemens.

A participação da empresa “não é um fim em si”, mas antes um passo que “vai permitir usar a grande competência técnica” e tirar partido da “robustez financeira da Exxon Mobil” no projeto, referiu a ministra, numa cerimónia realizada em Maputo, na terça-feira, que juntou todos os participantes no consórcio da Área 4 da Bacia do Rovuma.

A operação vai movimentar habitantes na província de Cabo Delgado, extremo norte de Moçambique, ao largo da qual estão a nascer os primeiros megaprojetos de gás natural, com início de operação previsto para daqui a cinco anos.

Estado prevê mais de 300 ME em impostos

O Estado moçambicano prevê arrecadar mais de 300 milhões de euros com a tributação de mais-valias da transação.

O negócio concluído foi anunciado em março e altera a composição da Eni East Africa, detida a 28,6% pela chinesa CNPC e a 71,4% pela italiana ENI que entregou metade (37,5%) à Exxon Mobil por 2,8 mil milhões de dólares.

Por sua vez, a Eni East Africa detém 70% do consórcio da Área 4, cabendo o restante em partes iguais à Galp, Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) de Moçambique e a sul-coreana Kogas.

Desta forma, os interesses participativos neste projeto de gás natural passam a ser de 25% para a Eni, 25% para a ExxonMobil, 20% para a chinesa CNPC, enquanto Galp, ENH e Kogas mantêm as quotas de 10% cada.