Última hora

Última hora

Cimeira UE - África debate empreendedorismo e migrações

O objetivo é criar condições para fixar as populações nos seus locais de origem e assim desenvolver a economia local.

Em leitura:

Cimeira UE - África debate empreendedorismo e migrações

Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia pretende engajar a União Africana na regulação dos movimentos migratórios em direção à Europa. Este um dos pontos em discussão na cimeira União Europeia – África que abre esta quarta-feira em Abidjan na Costa do Marfim.

O objetivo é criar condições para fixar as populações nos seus locais de origem e assim desenvolver a economia local.

Os estados europeus dividem-se entre aqueles como a Alemanha, a França e Portugal que preferem canais regulares de emigração e outros, nomeadamente no leste europeu, que não querem refugiados ou mesmo migrantes económicos.

“A maioria dos migrantes são jovens com pouca educação formal mas a África sub-sahariana é igualmente conhecida por ser uma das principais regiões do mundo em termos de jovens empreendedores, não apenas no comércio e serviços mas também no setor digital”, afirma Isabel Marques da Silva, enviada da euronews à cimeira.

A educação é um dos fatores essenciais para a fixação das populações assim como medidas de promoção do empreendedorismo que acabarão por criar postos de trabalho. A nova economia digital é uma das áreas que oferece mais potencial.

“Os espaços de trabalho colaborativo ou os espaços de inovação como os Fablabs podem constituir uma alavanca para o desenvolvimento ou para a criação de postos de trabalho na medida em que é nesses espaços que nascem projetos liderados por jovens em situação de inserção. Daí pode ser uma porta aberta para o mundo do emprego ou do auto-emprego”, afirma Guiado Obin, empresário marfinense.

Depois da Nigéria e da Guiné, a Costa do Marfim é o país com o maior número de migrantes que se lançam na travessia do Mediterrâneo. Este ano, pelo menos 8700 migrantes chegaram a Itália. A busca de soluções requer um esforço de colaboração.

“Por vezes, vemos o mesmo problema de duas perspetivas diferentes. Sejam as migrações, o clima, a energia, o desenvolvimento económico ou outras questões. Mas penso que ambos os lados chegaram à conclusão de que precisamos de enfrentar esta questão em conjunto. É assim que se criam parcerias e se encontram soluções conjuntas. É assim que se encontram soluções para os problemas” afirma a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

Migrações e agricultura são dois dos temas em destaque na cimeira União Europeia – África que abre esta quarta-feira.


Mais informação:

http://www.consilium.europa.eu/pt/meetings/international-summit/2017/11/29-30/