Última hora

Última hora

Brasil e Colômbia unem-se na homenagem à Chapecoense

O clube Atlético Nacional descerrou uma placa de homenagem e encerrou uma capsula do tempo para ser reaberta daqui a 40 anos; em Chapecó, juntaram-se milhares de pessoas e alguns dos sobreviventes

Em leitura:

Brasil e Colômbia unem-se na homenagem à Chapecoense

© Copyright :
REUTERS/Fredy Builes
Tamanho do texto Aa Aa

Colômbia e Brasil uniram-se esta terça-feira, 28 de novembro, para homenager as vítimas do trágico acidente de aviação de há exatamente um ano nas proximidades de Medellin.

A equipa do Chapecoense ia defrontar o Atlético Nacional, na primeira mão da final da Copa Libertadores.

Por falta de combustível o avião despenhou-se a escassos quilómetros de aterrar. Das 77 pessoas a bordo, morreram 71.

No Parque da União, em Antioquia, foi descerrada uma placa de homenagem pelas vítimas e foi encerrada uma cápsula do tempo, contendo camisolas, mensagens escritas e outros objetos, e que deverá ser reaberta daqui a 40 anos.

A placa oferecida pelo Atlético Nacional

Uma das mensagens foi escrita pelo presidente do Atlético Nacional. "Sentimos amor, afeto e temos uma relação muito próxima com os nosso amigos de Chapecó. Amigos que estão sempre próximos", manifestou Andres Botero Phillipsbourne durante a cerimónia em Antioquia.

De acordo com a TeleMedellin, o plano incial do emblema colombiano era descerrar a placa de homenagem às vítimas da tragédia na encosta onde se despenhou o avião, hoje denominado Serra Chapecoense após um acordo municipal de La Union.

O proprietário do terreno terá pedido cerca de 70 mil euros pela parcela necessária para a homenagem.

Horas depois da cerimónia em Antioquia, foi a vez dos brasileiros lembrarem as vítimas da tragédia.

Sem esquecer o apoio colombiano em algumas das tarjas, milhares de pessoas juntaram-se no estádio da Chapecoense.

Entre os presentes, esteve um dos seis sobreviventes do acidente, o jornalista Rafael Henzel.

"Nestes 365 dias eu só não falei do acidente nos quatro dias em que estive entubado na Colômbia", resumiu o sobrevivente.

Há um ano, o avião da chapecoense despenhou-se pouco depois das 10 da noite, hora de Medellin, eram já as primeiras horas de 29 de novembro em Brasília.

Esta quarta-feira, 29, foram também muitas as pessoas que se deslocaram à Serra Chapecoense, em Antioquia, para uma nova vigília pelos que ali perderam a vida h´a um ano.

O local foi preenchido com 71 cruzes, cada uma com a foto de uma das vítimas da tragédia.