Última hora

Última hora

Francisco pede "medidas decisivas" para fazer face a crise humana dos Rohingya

Sem nunca mencionar a palavra "Rohingya", no discurso de chegada a Daca, o Sumo Pontífice quebrou o silêncio diplomático, após uma visita de quatro dias ao Myanmar, e referiu a situação dos "refugiados chegados em massa dos Estado de Rakhine".

Em leitura:

Francisco pede "medidas decisivas" para fazer face a crise humana dos Rohingya

Tamanho do texto Aa Aa

O Papa Francisco pediu, esta quinta-feira, à comunidade internacional "medidas decisivas" para fazer face à atual crise humana que se vive no Bangladesh.

Sem nunca mencionar a palavra "Rohingya", no discurso de chegada a Daca, o Sumo Pontífice quebrou o silêncio diplomático, após uma visita de quatro dias ao Myanmar, e referiu a situação dos "refugiados chegados em massa dos Estado de Rakhine". 

"É imperativo que a comunidade internacional tome medidas decisivas para enfrentar esta grave crise, não só trabalhando para resolver as questões políticas, que levaram à deslocação em massa de pessoas, mas, também, oferecendo assistência material imediata ao Bangladesh, no seu esforço para, efetivamente, responder às necessidades humanas urgentes", apelou o Sumo Pontífice.

Cerca de 625 mil Rohingyas refugiaram-se no Bangladesh, fugindo da campanha repressiva do exército birmanês, em agosto.

O presidente do Bangladesh, Abdul Hamid, criticou duramente as autoridades birmanesas acusando o exército do Myanmar de "atrocidades" contra quela minoria muçulmana.

Hamid exigiu, ainda, ajuda internacional para repatriar, em segurança, os refugiados.

O Estado birmanês não reconhece esta minoria, privando-a da nacionalidade e submetendo-a a múltiplas restrições como a liberdade de movimentos ou a liberdade de matrimónio.

O enviado da euronews a Daca, Cláudio Lavanga, relata: "Um dos pontos altos desta viagem à região, será esta sexta-feira. O Papa Francisco vai encontrar-se com pequeno grupo de refugiados Rohingya, aqui em Daca. É claro que todos os olhos vão estar postos nesse encontro porque, como sempre, quando se trata do Papa Francisco, uma imagem vale mais do que mil palavras. "