Última hora

Última hora

Puigdemont conhece decisão da extradição a 14 de dezembro

O ex-presidente do governo da Catalunha e outros quatro ex-conselheiros estão na Bélgica desde o início de novembro, pouco depois da declaração unilateral de independência da região catalã.

Em leitura:

Puigdemont conhece decisão da extradição a 14 de dezembro

Tamanho do texto Aa Aa

É no próximo dia 14 de dezembro que a justiça belga vai decidir sobre o processo de extradição de Carles Puigdemont e dos outros quatro ex-conselheiros do Executivo catalão para Espanha.

Os cinco ex-governantes encontram-se na Bëlgica desde o início de novembro, após a declaração unilateral de independência da Catalunha a 27 de outubro.

Na audiência realizada esta segunda-feira em Bruxelas, os procuradores belgas voltaram a pedir a extradição do antigo presidente catalão e dos seus ex-conselheiros. Já a defesa argumentou que os delitos que constam no mandado europeu de detenção emitido por Espanha não têm equivalência no codigo penal belga e que uma eventual entrega apresenta riscos de violação de garantias dos acusados.

Entretanto, o Supremo Tribunal espanhol decidiu hoje em Madrid manter na prisão quatro separatistas catalães, entre eles o ex-vice-presidente, Oriol Junqueras, e fixou fianças de 100.000 euros para seis ex-conselheiros do antigo executivo poderem sair em liberdade.

Todos estão a ser investigados pela sua participação no processo de independência da Catalunha que culminou em 27 de outubro último com a aprovação pelo parlamento regional de uma declaração de independência, mas que não chegou a ser oficializada.

Estas decisões surgem também num dia em que foram divulgadas algumas sondagens que dão conta de uma possível perda da maioria dos partidos independentistas no Parlamento da Catalunha nas eleições regionais de 21 de dezembro.

Segundo o Centro de Investigações Sociológicas (CIS), um organismo público que realiza este tipo de sondagens, os partidos e movimentos que apoiam a criação de um país independente em relação a Espanha teriam 66-67 lugares no parlamento regional, que tem um total de 135 assentos.