Última hora

Última hora

Liga Árabe 'cancela' encontro entre Mahmoud Abbas e Mike Pence

Em leitura:

Liga Árabe 'cancela' encontro entre Mahmoud Abbas e Mike Pence

Liga Árabe 'cancela' encontro entre Mahmoud Abbas e Mike Pence
Tamanho do texto Aa Aa

Após a fúria nas ruas, chegou a reação política. A Liga Árabe mostrou a sua união contra a decisão do presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, em mudar a embaixada norte-americana de Telavive para Jerusalém e de reconhecer a cidade como capital de Israel.

A primeira consequência é o anúncio de que o líder da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, já não se vai encontrar com o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, no próximo dia 19, tal como estava previsto.

"Nós tomámos a decisão de que não haverá qualquer comunicação oficial entre funcionários palestinianos e representantes norte-americanos. Como sabem, há uma visita do vice-presidente Mike Pence à Palestina a 19 de dezembro e houve uma declaração oficial de que o presidente Mahmoud Abbas não se vai encontrar com o vice-presidente Pence", afirmou Riyad Al Maliki, ministro palestiniano dos Negócios Estrangeiros.

Numa reunião extraordinária do organismo no Cairo, os ministros dos Negócios Estrangeiros árabes consideraram ainda a decisão norte-americana "nula", pediram para a mesma ser "revogada" e deixaram em aberto a possibilidade de procurar um novo parceiro além dos EUA no processo de paz.

O número dois dos Estados Unidos tinha agendado um encontro com o presidente da autoridade palestiniana no âmbito da sua visita a Israel e ao Egito.

Apesar desta tomada de posição da Liga Árabe, a Casa Branca mantém por agora os planos e a sua decisão. De acordo com a imprensa norte-americana, Mike Pence foi mesmo um dos principais defensores da mudança da embaixada de Telavive para Jerusalém.

Caso se concretize a transferência, os Estados Unidos serão o primeiro país com representação em Israel a colocar a sua embaixada em Jerusalém.

Donald Trump já veio defender a sua decisão, reiterando que se limitou a cumprir uma promessa da sua campanha e que também já tinha sido feita pelos seus antecessores (Barack Obama, George W. Bush e Bill Clinton) na Casa Branca.