Última hora

Última hora

Presidente do Peru justifica perdão a Fujimori: "justiça não é vingança"

Em leitura:

Presidente do Peru justifica perdão a Fujimori: "justiça não é vingança"

© Copyright :
REUTERS/Guadalupe Pardo
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de cinco mil de pessoas voltaram a ocupar as ruas das principais cidades do Peru, em protesto contra o perdão concedido ao ex-presidente Alberto Fujimori.

Os manifestantes consideram que o indulto serve de moeda de troca, num acordo político que permitiu ao atual chefe de Estado evitar a destituição. Pedro Pablo Kuczynski foi alvo de uma moção de censura, por ligações à construtora brasileira Odebrecht, envolvida no êscandalo de corrupção Lava-Jato, mas conseguiu enfrentar a oposição com o apoio dos deputados do Força Popular, partido liderado por Keiko Fujimori, filha do antigo chefe de estado.

O perdão presidencial chegou apenas três dias depois.

Numa mensagem transmitida na televisão peruana, o presidente Pedro Pablo Kuczynski justificou a decisão: "não devemos permitir que Alberto Fujimori morra na prisão. A justiça não é vingança. Qualquer indulto é por definição controverso. Há um grupo importante de peruanos contra este indulto".

Kuczynski assume que a "decisão é particularmente complexa e difícil". Mas, acrescenta, "é a minha decisão". 

Os manifestantes exigiam a anulação do perdão ao antigo chefe de Estado Alberto Fujimori, condenado em 2007 a uma pena de 25 anos de prisão por violação dos direitos humanos e corrupção, na sequência de crimes, como assassínios e sequestros, cometidos entre 1990 e 2000, considerando que favorece a impunidade.

Numa nota oficial divulgada no domingo à noite, lê-se que "o Presidente do Peru, usando os poderes que lhe são conferidos pela Constituição, decidiu conceder perdão humanitário a Alberto Fujimori e a outros sete presos".

Alberto Fujimori, de 79 anos, já havia pedido o perdão em meados deste mês devido ao seu estado de saúde debilitado.

Segundo o comunicado agora emitido pela Presidência do Peru, uma junta médica avaliou a situação e verificou que Alberto Fujimori sofre de "uma doença progressiva, degenerativa e incurável".

A mesma junta considerou que as condições que o antigo governante tinha na prisão significariam um risco grave para a sua vida, saúde e integridade.

No sábado, Alberto Fujimori foi transferido da prisão para uma clínica da capital, Lima, devido a tensão arterial baixa e arritmia, anunciou o seu médico.